Sunday, November 23, 2014

Jesus, but Not Codependent

Christian Codependency: Does God Want You To Be Codependent? Karla Downing By Karla Downing Are you looking for help for your Christian codependency? If so, do you wonder if God wants you to be codependent? Christian codependents tend to overly give, ignore their own needs, tolerate mistreatment, and lose themselves while believing God is pleased with them. Many of the beliefs people commonly hold about what the Bible teaches about relationships appear to support the view that God wants us to be codependent. These four Scriptural teachings are often taken out of context and applied in ways that are unhealthy and unbalanced: God wants you to give sacrificially. Giving is a recurrent theme in the New Testament. Sacrificial giving can be healthy, but it can also be unhealthy. Codependents give out of compulsion and often become resentful toward the person. Healthy giving is motivated by choice and right reasons. God would rather have you not give when you don't want to. Jesus said we should communicate a clear message: When we mean yes, we do it; but when we really mean no, we don't do it. God wants you to put others before you. Jesus told us to love our neighbors as ourselves and to consider their needs as important as our own. There is a time to put others first, but there is also a time to put ourselves first. If you were in line in the grocery store to buy food for dinner for your family and you allowed one person after another to go before you to pay, you wouldn't make it home to fix dinner for your family or yourself. Jesus took time to take care of himself so he would be rested and able to minister effectively. God wants you to forgive over and over. Jesus taught that you need to forgive repeatedly without end. The misapplication comes from believing that you have to continue to tolerate all types of mistreatment by turning the other cheek and giving the other person another opportunity to hurt you. Jesus did teach you have to repeatedly forgive- as opposed to storing up bitterness and seeking revenge-but you are not required to allow the person to hurt you again and again. You can set boundaries to protect yourself while forgiving. God wants you to lose your life by dying to yourself. One of the conditions of being a disciple is to follow Jesus and put him first. You are to lose your life for Christ-not for other people. You are to die to your sin nature-not to the unique self that God created you to have and be. You will give an account of how you lived your life and used your talents. If you lose your life in others, you will not be a good steward. Does God want you to be codependent? No. He wants you to overcome your Christian codependency by correctly applying Scriptural truths to your life. Karla Downing is an author, speaker, licensed marriage and family therapist, and Bible study teacher. Karla's passion is to help people find freedom in Christ in the midst of their difficult relationships and circumstances through Biblical truths and practical tools. Christians and Boundaries: Six Questions to Guide You in Setting Biblical Relationship Boundaries Karla Downing By Karla Downing If you are struggling with being a Christian and having boundaries, then these questions will guide you in setting biblical relationship boundaries. One of the reasons boundaries are hard to figure out is because they are different for each person and circumstance. Difficult relationships have complicated dynamics. These questions offer you principles to help you figure out the boundaries that are right for you in each of your relationships. Does what you want to do encourage the person to stop doing something that is wrong? You cannot force anyone to do what is right, but you can influence them positively or negatively. While your boundaries are not meant to manipulate, they do set a standard for what you believe is right or wrong and moral or immoral. God wants us to be light in the darkness (Ephesians 5:11). Where does your responsibility start and end? One of the purposes of boundaries is for you to be responsible for your stuff. When you state what you are willing to do and not do, you are taking responsibility for your part in the relationship and letting go of what isn't yours. By clearly identifying what you should do, you will know the limits you need to set on what you are not willing to do. This is part of your stewardship with what God has given you (Matthew 25:14-30). Where does the other person's responsibility start and end? The other person needs to be responsible for his/her stuff. When you limit what you are willing to do, then the other person has to take care of it. This has to do with accountability. If this person doesn't do what should be done, then it is his/her failure, not yours (Romans 14:12). What boundaries do you need for emotional, spiritual or physical protection? You are allowed to take care of yourself and protect yourself. You do not have to allow people to hurt or abuse you. Jesus modeled taking care of himself and protecting himself from people who wanted to use, abuse, and manipulate him. He only willingly went to the cross when it was the appointed time and for a divine purpose (Matthew 26:52-56). Are you ready to follow through with the stated consequences? Boundaries in relationships are simply what you will and won't do about what someone else does or doesn't do. It is for this reason that boundaries that are violated often have consequences. If you anticipate that the person won't respect your limits, then you might have to follow through with whatever you need to do in response. If you aren't ready yet to follow through, then just state what is bothering you without the consequence so you won't be making threats you don't carry out (Ecclesiastes 5:5). How important is this issue? There are times that we have to weigh how important something really is. It isn't good to make a big deal over every small issue. When you weigh the importance of things, you can determine what really matters in the long run. You can make adjustments for things that aren't matters of right and wrong and that won't result in you feeling bad about yourself (Proverbs 12:16). If you are a Christian struggling with setting boundaries, these six questions will guide you in setting biblical relationship boundaries. Dysfunctional Family Christmas: The Serenity Prayer For The Holidays Karla Downing By Karla Downing This Christian marriage help will enable you to take back your power to change your life whether your husband or wife changes or not. The problems in your marriage are real and the changes you want your spouse to make are most likely reasonable. The dilemma that you have is that you can't make him or her change and as long as you are waiting for change and pushing for change, you are stuck in the same patterns. We try to change our spouses by praying, wishing, nagging, lecturing, explaining, begging, threatening, controlling, and manipulating. Consider these questions: How much time and energy do you spend trying to change your spouse? What else could you do with your time? Powerless means "without power." Can you stand at the seashore and command the waves to stop? Can you ask the sun not to rise? Can you make your husband or wife change? No! So if you can't do it, why waste your life trying? The only sure way to make your life better is to focus on changing yourself. And I don't mean changing yourself to please your spouse, hoping he/she will change as a result. I mean taking back your power to do what you want with your own life in spite of the circumstances. The following Scriptural principles reinforce the fact that you are responsible for your own choices and that you are not responsible for your spouse's choices: • God's Word tells us clearly that each of us is responsible for ourselves and we will each stand before the judgment seat of Christ to give an account of our own lives-not our spouses' lives (2 Corinthians 5:10). Christian Marriage Help: Change Yourself, Not Your Spouse Karla Downing By Karla Downing This Christian marriage help will enable you to take back your power to change your life whether your husband or wife changes or not. The problems in your marriage are real and the changes you want your spouse to make are most likely reasonable. The dilemma that you have is that you can't make him or her change and as long as you are waiting for change and pushing for change, you are stuck in the same patterns. We try to change our spouses by praying, wishing, nagging, lecturing, explaining, begging, threatening, controlling, and manipulating. Consider these questions: How much time and energy do you spend trying to change your spouse? What else could you do with your time? Powerless means "without power." Can you stand at the seashore and command the waves to stop? Can you ask the sun not to rise? Can you make your husband or wife change? No! So if you can't do it, why waste your life trying? The only sure way to make your life better is to focus on changing yourself. And I don't mean changing yourself to please your spouse, hoping he/she will change as a result. I mean taking back your power to do what you want with your own life in spite of the circumstances. The following Scriptural principles reinforce the fact that you are responsible for your own choices and that you are not responsible for your spouse's choices: • God's Word tells us clearly that each of us is responsible for ourselves and we will each stand before the judgment seat of Christ to give an account of our own lives-not our spouses' lives (2 Corinthians 5:10). • We are to take the plank out of our own eyes before commenting on the splinter in the other person's eye (Matthew 7:3-5). (This applies even if your spouse has the plank and you have the splinter.) • Galatians 6:4-5 says, "Each one should test his own actions. Then he can take pride in himself, without comparing himself to somebody else." We have to do what is right, even when our spouses aren't. Since you will give an account of your life, it makes sense to focus on changing yourself and not on your spouse. What are some of the things you can change? You can change your reactions, your choices, your boundaries, and your self-care. You can decide how you want to use your talents and gifts and your time. You can't control his/her reactions, choices, boundaries or self-care. You can't make your spouse live in a way that uses his/her talents, gifts, and time the way God wants your spouse to. Let go of the efforts to make your spouse be who you want him or her to be and change yourself instead. • We are to take the plank out of our own eyes before commenting on the splinter in the other person's eye (Matthew 7:3-5). (This applies even if your spouse has the plank and you have the splinter.) • Galatians 6:4-5 says, "Each one should test his own actions. Then he can take pride in himself, without comparing himself to somebody else." We have to do what is right, even when our spouses aren't. Since you will give an account of your life, it makes sense to focus on changing yourself and not on your spouse. What are some of the things you can change? You can change your reactions, your choices, your boundaries, and your self-care. You can decide how you want to use your talents and gifts and your time. You can't control his/her reactions, choices, boundaries or self-care. You can't make your spouse live in a way that uses his/her talents, gifts, and time the way God wants your spouse to. Let go of the efforts to make your spouse be who you want him or her to be and change yourself instead. Christian Marriage Help: Let Go Of The Obsession Over Your Husband's Behavior Karla Downing By Karla Downing See all Articles by Karla DowningSee Karla Downing's Expert PageGet Updates on MarriageGet Updates on Karla Downing 2 Your rating: None Average: 2 (1 vote) Are you looking for Christian marriage help that will enable you to let go of the obsession over your husband's behavior? Whatever takes up your mental and emotional energy and robs you of the ability to live your life is your obsession. When you have marriage problems that your husband will not address and you are living in pain and desperation, it is natural to focus on the problems and to want them to change and in order to do that you have to think about them. But when thinking about the problems is robbing you of your joy and the ability to enjoy your own life, then you need to make a change. Philippians 4:8-9 tells us to choose what we think about and 2 Corinthians 10:5 tell us we can take our thoughts captive. Try the following things to control your thoughts: • Don't do things that increase your obsession with what your husband is doing. Don't check up on him, watch him, listen to his conversations, stay home to watch him, check his wallet, follow him, call him over and over, or read his e-mails (unless you need to do this to find out what is going on in order to make decisions or to confirm your suspicions). • Keep your head where your feet are. Concentrate on what you are doing in that moment and don't let your thoughts wander. If you are washing dishes, think about each action and say it out loud if you have to. Say, "I am picking up a dish and now I am washing a dish." Do whatever it takes to train yourself not to think about HIM. • Yell "stop" out loud or to yourself every time you find your mind wandering onto him again. This is one of the things therapists tell obsessive compulsive patients to do. • Find a phrase that reminds you that you are powerless over him and say it over and over. I say the Serenity Prayer: "God grant me the serenity to accept the things I cannot change, the courage to change the things I can and the wisdom to know the difference." An abbreviated version might be "Can't change him." "Mind your own business" was another phrase I said to myself. • Turn on the radio or listen to music. Force yourself to focus. • Say Bible verses aloud that remind you to release him to God. • Pray and release your concerns to God. Say something simple that reminds you that it is God's battle: "He's yours God." "God's in control." "I surrender him to you." Letting go of the obsession over your husband's behavior is a battle but it is one worth fighting to regain control over your own life. When you are obsessing over him, you aren't living and enjoying your own life. Overcoming Christian Codependency - Four Truths To Determine When To Put Yourself Before Others Karla Downing By Karla Downing See all Articles by Karla DowningSee Karla Downing's Expert PageGet Updates on Relationship AdviceGet Updates on Karla Downing 0 Your rating: None When overcoming Christian codependency, how do you know when you should put your needs or the other person's needs first? By applying these four truths: 1.You have to stay emotionally, physically, spiritually, and mentally healthy. Ephesians 5:29 "After all, no one ever hates his own body, but he feeds and cares for it" (NIV). None of us can ignore our needs indefinitely and still have the resources to reach out to others. Just as our bodies require food and rest, our emotional, spiritual, and mental needs need to be attended to. Jesus took time to rest and recuperate when He was on earth. 2.You have to take care of your family's needs first. First Timothy 5:8 "If anyone does not provide for his relatives, and especially for his immediate family,he has denied the faith and is worse than an unbeliever" (NIV). When evaluating our priorities, we need to prioritize the needs of our immediate family first. This doesn't mean we will never put others before our family, but it can't be at the expense of our families. 3.You have to pay attention to why you are putting the other person first. Second Corinthians 9:7 "Each man should give what he has decided in his heart to give, not reluctantly or under compulsion, for God loves a cheerful giver" (NIV). We frequently put the other person before ourselves out of people pleasing, guilt, and obligation, and as a result, we end up resentful. The best reason to put others before ourselves is because we choose to. 4.You have to compare the importance of both needs. Matthew 22:39 "Love your neighbor as yourself" (NIV). There will always be conflicting needs, both of which need to be considered. There are obvious times when we have to sacrificially give due to the extreme need of the other person, but there are also times that it is essential to place a higher importance on our own needs. Relationship Prayer: God, help me to consider my needs and the other person's needs and make the right choice for the right reason. Relationship Challenge: Use these principles to help you make wise decisions about how to take care of yourself and still make room for the needs of others, but not neglect yourself or your family. To overcome Christian codependency, apply these four truths to determine when you should put your needs or the other person's needs first. You don't have to neglect yourself to care about others.

Friday, November 21, 2014

Perspectivas de Justica Social em Brasil- Trabalho Escravo a MST e David Harvey

Padre italiano é ameaçado após denunciar trabalho escravo Marcos Bassani registrou a denúncia em sua coluna no blog Grajaú de Fato; o missionário reside no Estado do Maranhão desde 2002 18/11/2014 Da Redação O padre missionário italiano Marcos Bassani foi ameaçado por um fazendeiro em sua própria residência após ter feito uma denúncia de trabalho escravo na região de Alto Brasil, no Maranhão (MA). O texto foi publicado em sua coluna no blog Grajaú de Fato. Bassani reside em Alto Brasil e presta serviços à Diocese de Grajaú (MA). De acordo com a Comissão Pastoral da Terra (CPT), o padre não teve a intenção de caluniar ou difamar ninguém, mas apenas denunciar “essa prática atroz, criminosa e mediévica que ceifa vidas e desconstrói sonhos e esperanças de pessoas que vendem sua força de trabalho para conseguir melhores condições de vida para si e para a família.” Bassani registrou a ocorrência e “espera que tudo se resolva o mais rápido possível da melhor forma.” O missionário reside no Estado do Maranhão desde 2002, quando chegou ao Brasil para assumir a paróquia de Dom Pedro. Além disso, também prestou serviço social em defesa dos marginalizados da região em prol da redução das desigualdades sociais. Objetivo da atividade, que acontece neste domingo (23), é reunir escritores, articuladores culturais e artistas independentes para discutir temas que estão em evidência na literatura periférica 19/11/2014 Da Redação Neste domingo (23), a Fábrica de Cultura do Jardim São Luiz, na zona sul de São Paulo, será palco do I Congresso de Escritores da Periferia. A literatura negra como forma de inclusão social será tema de uma das cinco mesas da atividade, que ainda abordará: A Força da Mulher na Literatura Contemporânea; Mercado Editorial, Incentivos à Produção Literária e o Plano Municipal de Literatura, Livro, Leitura e Biblioteca. O congresso é uma iniciativa do Blog Desenrola E Não Me Enrola, uma mídia digital que há cerca de dois anos divulga a cena cultural da periferia por meio de reportagens produzidas por três jovens que residem no Jardim Ângela, também na zona sul da cidade. O objetivo da atividade, segundo os organizadores, é reunir escritores, articuladores culturais e artistas independentes para discutir temas que estão em evidência na literatura periférica. A organização do evento estima que cerca de 300 pessoas prestigiem o congresso, que contará também com a apresentação de pocket shows dos artistas Marcelo Monteia, Camila Brasil e Nayara Konnor. Além disso, haverá uma exposição de quadros e artes plásticas. O que? I Congresso de Escritores da Periferia de São Paulo Onde? Fábrica de Cultura do Jardim São Luis (Antonio Ramos Rosa, 651 – São Paulo Endereço: Antonio Ramos Rosa, 651 – São Paulo) Quando? 23/11/2014 (Domingo). Horário: 13h às 20h M. Officer é condenada por trabalho análogo à escravidão A empresa M5 Têxtil, do estilista Carlos Miele e detentora da marca M. Officer foi condenada judicialmente pela utilização de trabalho análogo à escravidão em oficinas clandestinas que faziam produtos da marca. A decisão foi da juíza Sandra Miguel Abou Assali Bertelli, da 2ª Região do Tribunal Regional do Trabalho (TRT2-SP), que responsabilizou a empresa pelas condições em que foi encontrado um grupo de trabalhadores. Seu entendimento foi de que por se tratar de atividade-fim nas confecções, a terceirização é ilícita. A Empório Uffizi, que intermediou a contratação também foi condenada por gerenciar os ditos “empregos”. Ambas terão de pagar R$ 100 mil a um dos trabalhadores sob o título de indenização por danos morais. Para escaparem da condenação, as empresas jogaram a responsabilidade para o costureiro proprietário da oficina, porém as autoridades presentes na fiscalização, bem como Bertelli, concluíram que ele foi vítima e não culpado pela situação encontrada, já que as empresas tinham poderes gerenciais na determinação do ritmo e modo de produção. A M. Officer anunciou que irá recorrer da decisão. Em nota, a empresa alega que “cumpre integralmente todas as obrigações trabalhistas que incidem sobre o exercício de suas atividades empresariais”. Como não reconhece nenhuma responsabilidade sobre os fatos noticiados, se recusou a negociar uma solução conciliatória proposta pela Defensoria Pública da União (DPU) antes desta acionar a Justiça, e que garantia apenas o pagamento das verbas rescisórias aos trabalhadores. Outras ações A sentença pode servir de precedente e influenciar outro processo enfrentado pela M.Officer pelos mesmos motivos, o emprego de trabalho análogo à escravidão na sua linha de produção. Em outra ação, o Ministério Público do Trabalho (MPT) tenta, com base em diferentes flagrantes na confecção de peças da marca, banir a empresa do Estado de São Paulo e condená-la a pagar R$ 10 milhões em danos morais coletivos. Ciclo de governos à esquerda continua em toda a América Latina, diz professor A América Latina passou por diversos processos eleitorais em 2014. Além do Brasil; Bolívia, El Salvador, Costa Rica, Panamá e Colômbia escolheram seus novos mandatários, faltando apenas o Uruguai, que deve realizar seu segundo turno ainda neste mês. Para o professor de Relações Internacionais de Universidade Federal do ABC Igor Fuser o recado que as urnas deram com a vitória de Evo Morales com mais de 60% na Bolívia, de Dilma Rousseff no Brasil e a ampla vantagem que o candidato da Frente Ampla Tabaré Vazques tem para o segundo turno no Uruguai foi que o ciclo progressista no continente vai continuar. “Claro que as realidades dos países são diferentes, mas se você pegar um denominador comum, podemos apontar que aquele ciclo de governo mais a esquerda que teve início com primeira eleição de Chávez na Venezuela em 1998, foi confirmado nas urnas, ao contrário do que muitos analistas afirmavam”, comentou em entrevista ao site Candeia. O futuro da integração regional Para muitos analistas, a política externa era o que mais afastava os programas de governo de Dilma e Aécio. Enquanto a primeira significava uma continuidade de política mais voltada à integração sul-americana, o tucano pensava em um alinhamento com os Estados Unidos. “Estava muito claro que uma eventual vitória das forças de direita significaria um grave retrocesso em tudo que avançamos nessa área nos últimos 15 anos. O Mercosul, a Unasul e outras iniciativas de integração tenderia a um esvaziamento até se tornarem completamente irrelevantes. Eles foram salvos pelo resultado nas urnas", disse. Garabi e Panambi: o último suspiro do rio Uruguai Reprodução/MAB Conheça a história de resistência da população que vive às margens do último trecho sem barragens do rio Uruguai, entre a divisa do Brasil e Argentina 20/11/2014 Do MAB O rio Uruguai extrapola os limites físicos da região sul do Brasil. Suas histórias emergem recorrentemente na memória e no imaginário cultural da população dos estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Na virada da primeira metade do século passado, o rio foi palco de personagens míticos. Com a intensificação da extração de madeira na região, centenas de homens se arriscaram no escoamento dessa produção. Os balseiros, como eram conhecidos, formavam balsas a partir das próprias madeiras e desciam todo seu leito em períodos de cheia, enfrentando diversos acidentes geográficos pelo caminho, como o Salto de Yucumã. Atualmente, passado mais de meio século após o ápice da atividade madeireira, a vida dos balseiros seria ainda mais complicada. Isso porque o rio Uruguai, a partir dos anos 70, sofreu grandes transformações com a chegada de grandes projetos hidrelétricos. A bacia do rio Uruguai, formada pelos rios Canoas e Pelotas, conta com sete hidrelétricas de médio e grande porte já construídas: Itá, Machadinho, Barra Grande, Campos Novos, Monjolinho, Fóz do Chapecó e Passo Fundo. O noroeste do estado do Rio Grande do Sul, que divide o Brasil do seu vizinho, a Argentina, abriga um dos últimos trechos do rio sem barramento. Entretanto, a partir de 2008, um acordo assinado entre o ex-presidente Lula e a presidenta argentina Cristina Kirchner, resgatou um antigo projeto hidrelétrico para a região. As duas margens do rio Pedro Pessoa viveu durante sua vida inteira nas barrancas do rio Uruguai, do lado brasileiro. Nasceu no mês de junho de 1960 no município de Alecrim (RS), onde criou dois filhos e continua morando até hoje. Pescador, Pedro afirma que o rio sempre fez parte da sua vida. “Eu nasci ali perto daquele pé de milho. O rio Uruguai sempre foi um símbolo pra mim. Meu pai sempre dizia que a gente deveria respeitar o rio. A nossa vida é isso, ele faz parte da gente.” Todavia, não foram todas as pessoas que seguiram esses conselhos e, por isso, o rio sofreu transformações significativas durante as últimas décadas. “Há muitos anos estão cometendo barbaridades contra o rio Uruguai. Depois dos barramentos, eles retêm muita água e quando largam ela tá podre. A gente sente a diferença quando é água de chuva e quando é água dos lagos das barragens”, explica. Na outra margem, no município argentino de Alba Posse, na província de Misiones, mora o argentino Alberto Lovera, de 62 anos. “Vivo desde 1975 aqui. Uma vida inteira estou vivendo nesse mesmo lugar. Essa terra significa tudo. Criei meus três filhos aqui. É uma vida inteira.” Pedro e Alberto, que tiveram suas histórias construídas em margens opostas do rio Uruguai, foram unidos por uma intempérie do destino: fazem parte do grupo que será atingido pelas hidrelétricas do Complexo Binacional Garabi e Panambi. Antigo sonho do capital De acordo com o integrante da coordenação nacional do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), Marco Antônio Trierveiler, o projeto das hidrelétricas de Garabi e Panambi foi idealizado ainda no período da ditadura militar. “É importante dizer que essas barragens [Garabi e Panambi] são sonhos antigos do capital. Esses projetos já tentaram sair do papel no final da década de 70, início de 80, mas foram derrotados pela população”, relembrou. Na época, houve uma organização por parte dos atingidos que impediu a construção das barragens. Atualmente, os atingidos buscam repetir a conquista do passado, apesar dos interesses econômicos e políticos serem maiores. Propostas pelas empresas estatais de energia, a brasileira Eletrobrás e a argentina Ebisa, as hidrelétricas estão orçadas em 5 bilhões de dólares, ou algo em torno de 13 bilhões de reais, que será financiado em grande parte pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). “É um recurso que interessa às construtoras e as fornecedoras de turbinas”, afirmou Marco Antônio. Depois de construídas, com 2.200 MW de potência, as hidrelétricas poderão gerar algo em torno de 32 bilhões de reais com a venda de energia para o mercado brasileiro e argentino nos próximos 30 anos, segundo cálculos realizados pelo MAB. No meio disso, encontram-se 12 mil pessoas, de acordo com estimativas oficiais, que serão atingidas diretamente pelos lagos das barragens, que cobrirão de água 96 mil hectares, área maior que a alagada pela Usina Hidrelétrica de Belo Monte. O desenvolvimento Assim como em momentos anteriores, o discurso de que as hidrelétricas podem trazer desenvolvimento à região também vem à tona no caso de Garabi e Panambi. O diretor da Eletrobrás, Valter Cardeal, em audiência pública realizada em julho deste ano, afirmou que a construção das barragens gerará 12,5 mil empregos diretos, empregando 70% de mão de obra local. Para Marco Antônio esse argumento é fantasioso. “A geração de empregos se mantém apenas por um determinado período da construção, porque grande parte dos trabalhadores segue para outras obras junto com as empreiteiras e o número de emprego também se esvai”, apontou. Além dos empregos, outro ponto colocado como benéfico pelo lado favorável às hidrelétricas é o “royalty”. Destinado mensalmente aos municípios atingidos pelas barragens, os “royalties” são compensações financeiras pagas pelo consórcio da barragem através de uma porcentagem da venda de energia. Dados da Eletrobrás afirmam que Garabi gerará em torno de 83 mil reais, se os royalties forem divididos de forma equânime para todas as prefeituras, e Panambi aproximadamente 55 mil reais. “Fazendo um cálculo simples, se cada prefeitura investisse em 300 vacas leiteiras, e cada uma produzisse 10 litros de leite por dia, elas renderiam a mesma coisa que os royalties de Panambi vão aplicar mensalmente em cada prefeitura. Com uma vantagem que se fosse investido em vacas leiteiras ao invés da barragem, isso seria distribuído por vários moradores do município. Enquanto os royalties vão ficar centrados somente na prefeitura e nada garante que serão revertidos em benefício para a população”, comparou Marco Antônio. Conflitos De acordo com a coordenadora estadual do MAB, Neudicléia de Oliveira, de cada 10 atingidos por barragens no Brasil, apenas 3 tiveram acesso a direitos. “Apesar da garantia do governo que em Garabi e Panambi será diferente, o tratamento abusivo às populações atingidas já foi iniciado. Tanto é que a empresa responsável por fraudar os estudos de impacto ambiental na barragem de Barra Grande, a Engevix, está entre as empresas que fazem parte do Consórcio Energético Rio Uruguai.” No ano passado, funcionários da empresa invadiram terrenos de pequenos agricultores sem autorização e conhecimento dos proprietários. Isso gerou uma série de mobilizações dos atingidos, que culminou com a ocupação do escritório do Consórcio em agosto. Após o protesto, os atingidos conquistaram a suspensão dos estudos, além da retirada das máquinas de sondagem e o compromisso, assumido pela empresa, de apresentar informações detalhadas sobre o projeto, além da garantia de realização das audiências públicas nos locais afetados. Para Neudicléia, essa situação mostrou que apenas a união e organização pode impedir a realização do projeto binacional. “Nesse momento de incerteza, tanto da população argentina como brasileira, o rio Uruguai nos une na luta contra as barragens. O rio Uruguai sempre foi um símbolo de luta e hoje reúne esses dois países para impedir Garabi e Panambi.” O rio dos lendários balseiros e do apreciado Salto do Yucumã incorporou definitivamente mais uma simbologia: a luta. E apesar de separar geograficamente os dois países, o rio promete unir brasileiros e argentinos para resistir e manter vivo o último trecho onde as águas ainda correm sem barramento. Avanços nas Conquistas Sociais para Impedir o Golpe Direção Nacional do Movimento dos Pequenos Agricultores, reunida em Brasília de 14 a 16 de novembro, expressa sua opinião sobre a conjuntura atual brasileira 19/11/2014 Do MPA A Direção Nacional do MPA reunida em Brasília (14 a 16 de novembro de 2014) para analisar a conjuntura nacional concluiu que há UM GOLPE CONTRA A DEMOCRACIA EM ANDAMENTO NO BRASIL e, diante disto, expressa sua posição: O cenário atual é muito semelhante aos de 1954 e 1964, de resultados trágicos para a Nação Brasileira, com longos períodos de empobrecimento do povo, de entrega do patrimônio nacional e de ditadura política. Nos cenários anteriores o centro da disputa era o petróleo e a Petrobras, com violenta campanha de imprensa contra as forças populares e o combate a corrupção usado como cortina de fumaça para enganar a população. O objetivo real não foi e não é combater de fato a corrupção, estrutural na sociedade brasileira e que precisa ser realmente combatida. O que se quer de fato é interromper, como se fez no passado, um processo de distribuição de renda e poder para as classes trabalhadoras da cidade e do campo e entregar o patrimônio nacional, principalmente o petróleo do pré-sal, as riquezas naturais e as terras paras as multinacionais. O GOLPE POLÍTICO que está em andamento é um 3º Turno Eleitoral, fomentado pela direita e por forças imperialistas amplamente amparado pelo monopólio midiático (também conhecido como Partido da Imprensa Golpista). Temos que conscientizar nossas bases e a sociedade que este GOLPE é contra nós, contra os pobres, operários e camponeses de todo o Brasil e contra a soberania nacional. O que está mesmo em disputa são as riquezas nacionais, principalmente os bilhões de barris de petróleo do pré-sal e que temos que defender com unhas e dentes, pois são a nossa chance para construir uma Nação Soberana, com acesso universal a saúde e educação e a condições dignas de vida e trabalho para todos os brasileiros e brasileiras. Além disto, o Brasil, junto com os países do BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) garantem ao mundo um outro polo de poder, paz e desenvolvimento não dependente das potências capitalistas da Europa e América do Norte. Ao mesmo tempo a integração latino-americana através da Unasul e Mercosul são fundamentais para a superação das mazelas que afligem nossos povos e enfrentar o domínio imperialista sobre nossos territórios. A vitória eleitoral de Dilma Roussef foi uma vitória do povo brasileiro, dos pobres, da mídia popular e progressista, da militância dos movimentos populares e dos partidos de esquerda, principalmente o PT, dos que conquistaram a duras penas o direito a uma vida melhor nos últimos anos e o acesso a alguns direitos negados à mais de quinhentos anos e contra o poder econômico, contra os partidos tradicionais, contra o preconceito, os interesses de divisão nacional e contra toda a mídia nacional e suas manipulações. É, portanto, uma vitória da democracia, da justiça social, do respeito aos pobres, do respeito à diversidade, da soberania nacional, das nossas riquezas, da distribuição de renda, do emprego, da superação da fome, do apoio à produção de alimentos. Esta vitória é nossa e precisamos defendê-la. É a vitória de um projeto que precisa ser aprofundado, com a participação das forças populares organizadas e da população, com o aprofundamento da distribuição da renda e da terra, com um conjunto de reformas que precisam ser implementadas, entre elas: - Reforma Política; - Reforma Agrária; - Democratização dos meios de comunicação social; - Plano Camponês para a produção de alimentos saudáveis; E implantar e aprofundar políticas públicas para o campo, como: - Programa Camponês, Habitação Camponesa, Programas de Abastecimento Popular, Escolas no Campo e educação camponesa, Assistência Técnica, Agroindustrialização, Crédito Subsidiado, Apoio a Agroecologia, entre outros. Em nosso entendimento, Ações de Governo neste sentido e, da mesma forma, com outros setores sociais populares, consolidarão uma aliança social de base, unificando Movimentos Sociais, Partidos de Esquerda, Organizações Democráticas da Sociedade, com força, unidade e consciência política, capaz de barrar qualquer Golpe e avançar decididamente em direção ao aprofundamento das transformações sociais e políticas que o povo brasileiro quer e precisa e que demonstrou com seu voto livre nas urnas. Brasília, 16 de novembro de 2014 Direção Nacional do Movimento dos Pequenos Agricultores Nota do MST sobre a morte de Leandro Konder Despojado da empáfia dos que se escondem no sectarismo e nas verdades dogmatizadas, Leandro enfrentava os debates e estabelecia relações pessoais com a simplicidade e a generosidade dos que querem crescer como seres humanos e sociais 13/11/2014 Do MST Morreu na última quarta-feira, 12/11, o filósofo marxista Leandro Konder (1936 -2014), um companheiro de lutas e ideais da construção de uma sociedade comunista. Leandro marcou sua trajetória de vida por suas convicções políticas, sua coerência e uma militância ativa e intransigente em defesa dos interesses da classe trabalhadora. Como intelectual, jamais abriu mão de dar sua contribuição para transformar a realidade. Com a clareza de que em Marx não há um receituário a ser aplicado, dedicou sua vida para colocar em prática as ideias do filósofo alemão. Como militante político, jamais se vergou frente às adversidades e derrotas sofridas pelos que lutam pela emancipação humana. Preso e torturado pela ditadura militar, soube resistir e derrotá-la, mantendo-se coerente com seus ideais políticos. Venceu os longos 6 anos de exílio tornando-se um incansável estudioso do marxismo. E, frente à crise que atingiu o ideal socialista, a partir da queda do Muro de Berlim, não hesitou em afirmar que naquela derrota histórica “a perspectiva socialista descobriu potencialidades de enriquecimento que ela não sabia que tinha”. O companheiro que perdemos hoje, um verdadeiro mestre, sabia como poucos transitar da filosofia à política para, com textos claros e de refinado toque literário, transmitir para as gerações de hoje o legado das ideias socialistas e das lutas da classe trabalhadora. Despojado da empáfia dos que se escondem no sectarismo e nas verdades dogmatizadas, Leandro enfrentava os debates e estabelecia relações pessoais com a simplicidade e a generosidade dos que querem crescer como seres humanos e sociais. À Cristina, sua companheira de 38 anos, aos filhos Carlos Nelson e Marcela, aos netos e parentes, amigos e amigas, em nome de todos e todas que fazem o MST, queremos transmitir nosso pesar, nosso apoio e solidariedade nesse momento doloroso pela perda de uma pessoa tão querida e admirada. Para o MST, se perdemos um companheiro de lutas, herdamos um legado de conhecimentos e de exemplo de militante político. Viva Leandro Konder, um filósfo marxista, nosso companheiro. Direção Nacional do MST Manifesto dos Movimentos Sociais em São Paulo No documento, os movimentos analisam que, apesar das dificuldades do atual governo em realizar mudanças estruturais, reconhecem que “os governos do Presidente Lula e da Presidenta Dilma avançaram em muitos pontos na direção da diminuição das desigualdades sociais 20/10/2014 Da Redação, Reunidos nesta sexta-feira (17), mais de vinte movimentos sociais de São Paulo declaram voto à candidata. Um manifesto foi elaborado e assinado por todos os representantes reunidos na sede do Sindicato dos Bancários, na capital paulistana. No documento, os movimentos analisam que, apesar das dificuldades do atual governo em realizar mudanças estruturais, reconhecem que “os governos do Presidente Lula e da Presidenta Dilma avançaram em muitos pontos na direção da diminuição das desigualdades sociais, no combate à fome e à miséria, no aumento do salário, na melhoria na habitação e saúde, e nos investimentos na área da educação”. Ainda no manifesto, os movimentos reiteram sua oposição ao candidato Aécio Neves, do PSDB que, segundo eles, "é hoje o representante das elites, de interesses conservadores, machistas, homofóbicos e racistas, que querem perpetuar as situações de exclusão e injustiça social, da discriminação e do ódio contra os pobres. Portanto, esta candidatura representa a possibilidade de um retrocesso histórico para as lutas e conquistas sociais em nosso país". Entre outros movimentos que assinam o manifesto estão: Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), União Nacional dos Estudantes (UNE), União de Negros Pela Igualdade (UNEGRO), Central de Movimentos Populares (CMP), Frente de Luta por Moradia (FLM), Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) e Marcha Mundial das Mulheres (MMM). MANIFESTO DOS MOVIMENTOS SOCIAIS EM SÃO PAULO São Paulo, 17 de outubro de 2014 Nesta semana em que comemoramos o dia da criança, o dia do professor e o dia de luta pela soberania alimentar, nós, representantes dos Movimentos Sociais em São Paulo, manifestamos nossa posição com relação ao processo eleitoral que decidirá sobre quem deve ocupar o mandato na Presidência da República para os próximos quatro anos. Temos a clareza que só a organização e a luta permanente de nosso povo contra as estruturas injustas desta sociedade poderão transformar, pela raiz, a situação de opressão, historicamente estabelecida, e construir um país justo, fraterno e igualitário. Sabemos das limitações do atual governo em realizar mudanças estruturais, que superem as enormes desigualdades sociais em nosso país. Estas desigualdades são fruto de um processo histórico, onde a maioria do povo brasileiro, em especial os mais pobres, os negros, as mulheres que vivem do seu trabalho, tiveram seus direitos negados pelas elites e pela maioria dos governantes. Reconhecemos que os governos do Presidente Lula e da Presidenta Dilma avançaram em muitos pontos na direção da diminuição das desigualdades sociais, no combate à fome e à miséria, no aumento do salário, na melhoria na habitação e saúde, e nos investimentos na área da educação. Construíram uma forte solidariedade internacional que fortalece governos progressistas no mundo, estabelecendo relações de respeito sem submissão. Temos a mais plena consciência que o candidato Aécio Neves é hoje o representante das elites, de interesses dos setores conservadores, machistas, homofóbicos e racistas, que querem perpetuar as situações de exclusão e injustiça social, da discriminação e do ódio contra os pobres. Portanto, esta candidatura representa a possibilidade de um retrocesso histórico para as lutas e conquistas sociais em nosso país. Frente a este momento decisivo, não temos nenhuma dúvida em afirmar nosso apoio à candidatura da Presidenta Dilma e convocar todos os setores democráticos, progressistas, populares e de esquerda do nosso estado e país a se engajarem nesta luta pela pátria, contra o retrocesso. Nossa pátria será cada vez mais livre com a valorização do trabalho de nosso povo trabalhador, com a soberania sobre nossos recursos naturais e com nossa firme determinação em não mais aceitarmos os mandos e desmandos das elites brasileiras, massificada entre o povo por meio de seus instrumentos ideológicos. Assumimos aqui, novamente, o compromisso enquanto lutadores e lutadoras de nosso povo, de nos manter firmes e organizados, construindo pontos de unidade popular em luta pelo avanço e garantia dos direitos de todos/as. Contra a ofensiva conservadora, venceremos o preconceito, o ódio e o retrocesso. Dilma será nossa Presidenta da República. CAMI - Centro de Apoio ao Migrante CEBS - Comunidades Eclesiais de Base Centro Gaspar Garcia de Direitos humanos e mais assinaturas Feministas: Porque nós Mulheres estamos com Dilma "Estamos com Dilma porque queremos mais mudanças e mais transformações e por que lutamos para erradicar toda a discriminação de raça, gênero, classe e orientação sexual". 20/10/2014 Da Redação Mais de 600 mulheres de diferentes estados e áreas de atuação também divulgaram, neste final de semana, carta de apoio à presidenta. Segundo elas, o segundo turno das eleições é decisivo para o país e muitos desafios estão no caminho. “Sabemos que assumir essa postura exigiu coragem e que ainda há muito caminho pela frente. Temos certeza que construir um novo modelo que acabe com estruturas antigas, com a desigualdade e a discriminação no Brasil é um projeto longo e necessário. Muitas batalhas, dentro e fora do governo, ainda serão travadas. [...] Estamos com Dilma porque queremos mais mudanças e mais transformações e por que lutamos para erradicar toda a discriminação de raça, gênero, classe e orientação sexual”, dizem. Confira íntegra do documento: Porque nós Mulheres estamos com Dilma. O segundo turno da eleição de 2014 é decisivo para definir o país que queremos para nós, mulheres de hoje, e para as próximas gerações. Há 12 anos vimos uma mudança começar no país com a maior garantia de direitos e o combate à desigualdade como prioridade. Foram muitas as mudanças na política econômica e nas políticas sociais do governo que trouxeram para o debate político a urgência em acabar com as injustiças históricas do Brasil. Sabemos que assumir essa postura exigiu coragem e que ainda há muito caminho pela frente. Temos certeza que construir um novo modelo que acabe com estruturas antigas, com a desigualdade e a discriminação no Brasil é um projeto longo e necessário. Muitas batalhas, dentro e fora do governo, ainda serão travadas. Enferrujadas que estão, as estruturas velhas rangem ao serem desafiadas. Há uma minoria inconformada em compartilhar seus direitos e que destila preconceito contra mulheres, negros, indígenas, nordestinos, pobres, e a população excluída de seus direitos. Afinal, quem sempre viveu de privilégios se sente ameaçada pela ideia de igualdade. Há dois projetos em disputa: um deles é apresentado pelo candidato de oposição que defende a prioridade dos interesses do mercado contra à garantia de direitos da população. O outro projeto, representado pela presidenta Dilma, é a certeza do compromisso com a ampliação e melhoria dos serviços públicos, a busca de ampliar o acesso aos bens comuns, o esforço de favorecer a participação do povo nos rumos das políticas dos governos, a luta pela soberania do Estado na definição dos rumos da economia, e a de contribuir para a soberania dos povos irmãos. A possibilidade de eleger Dilma traz consigo uma enorme responsabilidade, carrega a luta das mulheres e homens que no passado tombaram pela democracia. Essas mesmas que hoje exigem reformar o sistema político: buscar a paridade, acabar com o financiamento de empresas a campanhas, impedir as coligações eleitoreiras. Leva também a teimosia de todas as mulheres, das vilas e das cidades, do campo e das florestas, em afirmarem-se sujeitos de direitos e sujeitos políticos. As que se rebelavam no passado e as insubordinadas de hoje. Mas leva a teimosia também das tantas outras que querem autonomia e liberdade para decidir sobre seus corpos, sua sexualidade, seu projeto de vida. Estamos com Dilma porque queremos mais mudanças e mais transformações e por que lutamos para erradicar toda a discriminação de raça, gênero, classe e orientação sexual. Estamos com Dilma porque, por toda sua vida, esta mulher teve coragem de enfrentar esse passado de injustiça para construir um presente em que caibamos mulheres e homens livres e iguais. Pela vida e pela luta das mulheres, pedimos o seu voto e sua coragem para o Brasil Mudar Mais. (Envie sua assinatura para .com até segunda, dia 20 de outubro, ao meio dia) Primeiras assinaturas: Adelle Azevedo, Secretária de Juventude do PT de Fortaleza Adila Santana Adriana Delbó Lopes – Professora da UFGO e mais seguindo Dez anos depois, impunidade continua em Felisburgo 21 de novembro de 2014 Joana Tavares Do Brasil de Fato - MG Foto: Mídia Ninja Na quinta-feira, 20 de novembro, completaram-se dez anos de um dos maiores massacres da história recente de Minas Gerais. Nesse mesmo dia, em 2004, um fazendeiro, acompanhado de dezenas de pistoleiros, invadiu um acampamento onde viviam 230 famílias, na cidade de Felisburgo, no Vale do Jequitinhonha, e comandou um massacre que vitimou cinco trabalhadores. Além disso, feriram 17 pessoas, atearam fogo aos barracos, plantação e escola. Nove anos depois, em outubrode 2013, o fazendeiro Adriano Chafik Luedy foi condenado a 115 anos de prisão por ter participado e planejado o ataque. Assim como o capataz Washington Agostinho da Silva, no entanto, Chafik pôde sair caminhando do Fórum, pois ainda pode recorrer da sentença em liberdade. Outros dois pistoleiros também foram condenados pelo crime. Enquanto convivem com a tensão de ter o mandante do crime solto, as famílias acampadas receberam outra reviravolta da Justiça. No dia 7 de novembro, a juíza Rosilene Maria Clemente, da 12ª Vara Agrária de Minas, anulou a sentença que garantia a desapropriação da fazenda Nova Alegria, onde as famílias sem-terra montaram o acampamento Terra Prometida. “Recebemos de luto essa informação. É como se mais um companheiro fosse tombado. Agora, foi a Justiça que tombou. Dez anos depois do massacre, o fazendeiro condenado não está preso e a terra ainda não foi dividida”, lamenta Alexandre Chumbinho, do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), que organiza as famílias sem-terra. Disputa pela terra A sentença proferida pela Justiça em favor de Chafik vai contra um decreto de desapropriação assinado pelo então presidente Lula, em 2009, que declarava que cerca de 1.800 hectares da fazenda deveriam ser destinados à reforma agrária, pois não cumpriam sua função social. Alexandre Almeida, da coordenação estadual do setor jurídico do MST, explica que quatro critérios definem se uma área cumpre ou não sua função social: a produtividade, a adequação às normas ambientais e trabalhistas e o bem-estar da população envolvida. No caso da fazenda Nova Alegria, o decreto questionava o uso ambiental e o bem-estar, pois o terreno foi palco do massacre que vitimou cinco pessoas. “Nessa decisão, a juíza foi extremamente conservadora e chega a questionar se havia uma verdadeira tensão na área. Ela na verdade tenta blindar, por seu argumento, qualquer desapropriação por função social”, critica Alexandre. Ele afirma que a procuradoria federal do Incra, órgão responsável por processos desse tipo, declarou que vai recorrer da decisão em “todas as esferas possíveis”. Outros 515 hectares da fazenda foram considerados devolutos, ou seja, pertencentes ao Estado. No entanto, essas terras não foram ainda demarcadas. O MST afirma que vai seguir pressionando para que a justiça seja feita no caso de Felisburgo. “As famílias foram vítimas de uma enorme violência e nunca foram indenizadas, nem pelo Estado nem pelo fazendeiro. A realização da reforma agrária é no mínimo uma compensação econômica do Estado para com elas”, afirma Alexandre Chumbinho. Trabalhadores Sem Terra debatem a identidade camponesa e a luta pela terra 21 de novembro de 2014 Por Wesley Lima Da Página do MST Militantes, jovens, mulheres e agricultores dos assentamentos e acampamentos do MST da região do extremo sul da Bahia participaram, de 15 a 19/11, da 2º Etapa do Curso de Formação Política. Tendo como base a formação continuada, o curso trabalhou com questões que pudessem ajudar os trabalhadores a refletir a realidade. Também foi aberto um diálogo mais amplo sobre a identidade camponesa e a importância da luta pela terra na construção de uma sociedade justa e igualitária. De acordo com Evanildo Costa, da direção estadual do MST, os espaços de formação são de muita importância para as organizações sociais, “principalmente neste momento que o nosso movimento completa 30 anos de luta. Estudar é um princípio da nossa organização, e é uma poderosa ferramenta que nos ajuda a entender melhor o momento político que estamos vivendo”. Durante os quatro dias de estudo foram abordados diversos temas que ajudaram a compreender a percepção identitária, social, cultural e política dos Sem Terra. As principais questões apontadas nortearam o debate em torno do processo político social em questão, a industrialização da cultura, comunicação popular, juventude e a fortalecimento da produção familiar. As rodas de conversa e trabalhos em grupo fomentaram a construção coletiva do saber. “Capacitação e formação para a militância precisa haver sempre. O espaço e os temas abordados foram muito importantes para analisarmos melhor as relações que estamos construindo com a sociedade e principalmente no campo político”, afirma Claudia Sena, moradora do Acampamento São João. Turma Fábio Henrique Nesta etapa do curso os trabalhadores homenagearam o companheiro Fábio Henrique, dando a turma o seu nome e rememorando sua trajetória de luta. De acordo com os educandos, “Fábio foi um grande lutador e sempre esteve a disposição da luta pela terra e em defesa da Reforma Agrária na região do extremo sul. Nós o homenageamos porque acreditamos que a mesma energia e ânimo que ele tinha para estar à frente de nosso povo, carregamos conosco todos os dias. Fábio Henrique. Presente!”. O curso de formação política possui três etapas, e a última está prevista para fevereiro. Durante este período os trabalhadores estarão inseridos em suas comunidades fortalecendo a organicidade do Movimento e contribuindo na formação de outros Sem Terra. Brasil recebe 14° Acampamento da juventude latino-americana 20 de novembro de 2014 Da Página do MST Fotos: Mídia Ninja Entre os dias 20 a 23 de novembro, cerca de 2 mil jovens de todo o continente americano estarão em Palmeira das Missões (RS), um território de grandes lutas indígenas e camponesas, participando do 14° Acampamento latino-americano da Juventude. Organizado pela Coordenação Latinoamericana das Organizações do Campo (Cloc) e Via Campesina, o acampamento será um espaço importante para construção de intercâmbios e para aprofundar a formação sóciopolítica da juventude em uma perspectiva de construção de análises, debates e lutas conjuntas com a juventude urbana. . Para Raul Amorim, da coordenação do coletivo de juventude do MST, "o acampamento será um espaço de protagonismo da juventude camponesa na luta contra a ofensiva do capital sobre os recursos naturais na América Latina, que expulsam a população camponesa e os povos de suas terras e territórios. Além de colocar o desafio da construção de agendas de lutas comuns para a construção de um projeto popular para o continente",afirma. O acampamento faz parte do processo de articulação da juventude do campo e da cidade latinoamericana que há treze anos vinha sendo realizado na Argentina. Esta é a primeira vez que o evento será sediado em outro país. É um acampamento de jovens latinoamericanos da Argentina, Bolívia, Brasil, Nicarágua, Guatemala, Venezuela, Cuba, Paraguai, além de delegações dos Estados Unidos, Ásia e África do Sul. Segundo Marcelo Leal, do coletivo nacional de juventude do Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA), o acampamento já faz parte da agenda de formação e de lutas da América Latina, e neste ano pretende fortalecer a unidade entre os movimentos sociais do continente e a organização da juventude. “O acampamento foi fundamental para fortalecer a unidade de nossa luta, ele envolve a juventude ativa de nossas organizações e mostra cada vez mais que é a partir da unidade de nossa classe que podemos avançar. Realizar o acampamento aqui no Brasil é importante, principalmente porque a região de Palmeira é um local histórico de luta e resistência", ressalta. A metodologia do evento envolverá momentos de plenária, rodas de conversa e oficinas, que constituem um importante espaço de diálogo, socialização e integração da juventude que se organiza e luta pela transformação da sociedade. A cubana Aleida Guevara estará presente durante o Acampamento. Segunda ela, a juventude é o motor das mudanças sociais, "é quem vai impulsionar, animar e construir com criatividade e capacidade de mudança uma sociedade justa". Também estarão presentes Igor Fuser, Erminía Maricato, João Pedro Stedille e Eliane de Moura Martins. “Para nós juventude será um momento de muita mística e animação, é um espaço de onde reafirmamos nossas convicções na luta do campo e da cidade, é onde somaremos forças para massificar nosso projeto popular na América”, relata Marcelo. O povo quer mudanças e os movimentos têm propostas, basta o governo ser mais humilde 19 de novembro de 2014 Por Marco Damiani Do Brasil 247 O quadro referencial do MST João Pedro Stédile acaba de chegar do Vaticano. Pela primeira vez na história da Igreja, oficialmente um papa avaliza uma grande reunião de movimentos populares. No caso, o encontro de uma centena de entidades, pensada e organizada pelos brasileiros do MST com seus colegas de luta pelo mundo. "O papa Francisco demonstra ter consciência das mudanças que precisam ser feitas", afirmou Stédile ao 247. Mas, de volta ao Brasil, o que esperava o líder dos sem terra era um país em que setores de elite já discutiam as chances de uma quebra da ordem. Mais radicalmente, em cartazetes levados à avenida Paulista, em duas passeatas com menos de 5 mil pessoas no total, alguns pediram a tal "volta dos militares". De modo mais sofisticado, articulações em Brasília, a partir do escândalo de corrupção na Petrobras, vislumbram a chance de envolver a presidente Dilma Rousseff entre o cientes e tomar-lhe, pelo impechment, o poder. Adeptos do caminho mais curto para este fim apostam num golpe de caneta do ministro Gilmar Mendes, do STF, que poderá censurar as contas da campanha do PT e atalhar uma crise institucional. Stédile, um dos poucos brasileiros que tem condições, como se diz, de 'colocar o povo nas ruas', desdenha das três alternativas. - Não vejo um movimento golpista. A conjuntura não permite, não haveria a menor chance de sucesso, diz ele. - Numa hipótese mais radical, a burguesia sabe que estaria aberta a caixa de pandora da revolta popular. E isso é muito perigoso, completou. Por e-mail, o líder popular que batalha há mais de 30 anos no mesmo campo social, sem ter caído em tentação de obter mandatos políticos ou assumir cargos bem remunerados deu as seguintes respostas às nossas perguntas: O sr. pressente algum tipo de movimento golpista contra a democracia e o resultado das eleições presidenciais? Onde ele se dá? Nas ruas, na mídia, na classe política? Não vejo um movimento golpista. E não teria nenhuma chance de sucesso na atual conjuntura. Os tucanos chamaram mobilizações de protestos dia 15 de novembro, que são normais na democracia. E lá se infiltraram algumas viúvas da ditadura militar, que não merecem crédito, que não têm base na sociedade. Até os tucanos ficaram com vergonha. Os partidos da direita sabem que a tentativa de um golpe seria destampar a caixa de pandora da revolta popular. E isso é muito perigoso. A mídia no Brasil é o principal partido ideológico da direita. Mas sua função é manter o governo acuado, com medo de fazer mudanças. Além disso, fazer uma campanha permanente na sociedade mantendo a hegemonia da visão de mundo burguesa, defendendo sempre os interesses dos privilegiados e os falsos valores do individualismo, egoismo e consumismo, como se isso fossem valores da liberdade e da democracia. A tese de impeachment da presidente Dilma Rousseff pode prosperar? O sr. vê motivos para isso? Não há nenhum motivo real. A presidenta não está envolvida em nenhum crime. Esse movimento é absolutamente antidemocrático, de quem não se conforma com a vontade da maioria do povo. Alegar conhecimento de fatos de corrupção em empresas estatais é simplesmente fantasioso. Os fatos que vieram à tona na Petrobras estão sendo perpetuados há 15 anos, segundo a Procuradoria-Geral da República, portanto, iniciaram no governo FHC. Os diretores envolvidos foram indicados por partidos conservadores. Não me consta que algum deles tenha ficha no PT. Por outro lado, há denúncias de corrupção no governo FHC e em muitos governos estaduais e municipais, e não tenho notícias de algum pedido de impeachment. Como o MST se posicionará diante desse quadro? Defendemos que todos os casos de corrupção sejam investigados à exaustão e denunciados, sobretudo os corruptores, que na maioria das vezes saem impunes. Todos os que cometeram algum delito devem pagar por eles. É preciso que a sociedade se dê conta que a corrupção é um modo de agir permanente no capitalismo, em que as empresas e seus políticos procuram se apropriar de recursos públicos. Por isso, sempre existiu corrupção neste país. E a única forma de combatê-los, não é apenas usar a Polícia Federal, porque é impossível controlar. A forma de combatê-la é aprofundar mecanismos de participação popular na gestão pública, em que povo tenha mais informações e instrumentos para acompanhar. Enquanto a administração pública for apenas um privilégio de algumas pessoas, partidos e empresas, sempre haverá corrupção em todos os partidos que chegarem ao governo, seja federal, estadual e municipal. O fato de a presidente não ter criado nenhum fato político importante desde a eleição pode estar contribuindo para a desestabilização do governo? Não acredito em desestabilização do governo. Estamos vivendo um período de transição do primeiro para o segundo mandato, que sempre é muito lento e tensionado, pelos grupos que querem influenciar o próximo governo. Embora para a pequena politica o fato da presidenta ter tirado uma semana de férias e depois uma longa viagem ao exterior estimulem especulações de todo tipo. Como os movimentos sociais e, em particular, o MST devem se comportar nesse quadro político agitado? Esse período de transição até janeiro é sempre de debates e de expectativas. Acho que os movimentos sociais deverão se preparar e ampliar a pressão social nas ruas, fazendo luta social para que os problemas do povo sejam resolvidos de uma forma mais rápida. E nenhum governo do mundo, federal, estadual ou municipal funciona sem a pressão do povo. Os problemas de moradia, transporte público, especulação imobiliária, juros estratosféricos, falta de terra e vagas restritas na universidade estão ai, pedindo soluções urgentes. O que o sr. espera do futuro governo Dilma? Espero que o governo saiba entender o recado das urnas e a vontade da imensa maioria de nosso povo. Nosso povo quer mudanças, mudanças no governo, mudanças na forma de fazer politica e mudanças que possam acelerar a solução de seus problemas. E o governo precisa sinalizar que quer fazer mudanças para resolver os problemas do povo. Esses sinais podem ser simbólicos na composição do novo ministério, como devem ser reais, na apresentação de propostas concretas. Todos os movimentos sociais temos propostas concretas de soluções praticas. Basta o governo ser mais humilde, convocar cada setor e terá as propostas necessárias para as mudanças. Se o governo não fizer isso, corre o risco de cair num descredito popular e navegará na mesmice, do mais do mesmo, que não resolve nenhum problema e só aumentará a tensão social, que voltará nas ruas, com mais força. E ai contra o governo também. Qual sua expectativa sobre o tipo de oposição parlamentar que será feita? O Congresso brasileiro infelizmente tem se revelado um balcão de negócios. O financiamento privado das campanhas deformou sua representação em relação à sociedade. Apenas dez empresas elegeram 70% dos parlamentares nestas eleições. O Congresso e a democracia brasileira foram sequestrados pelas empresas. Por isso, o povão não acredita mais nos políticos, porque não se sente representado. Os executivos das grandes empresas que se sentem representados por esse sistema político, por ter seus financiados nas campanhas no Congresso. Por isso, só há uma solução, realizarmos uma reforma politica, através da convocação de uma assembleia constituinte exclusiva do sistema político. O MST participa da campanha pela Constituinte do Sistema Político, que reúne 400 organizações. O que o movimento quer com essa campanha? Nós temos uma plenária nacional com mais de 400 movimentos, entidades e organizações, organizamos mais de 2 mil comitês populares em todo o país. Recolhemos quase 8 milhões de votos de eleitores, exigindo a convocação de uma assembleia constituinte. Espero que os poderes da República entendam esse recado. A presidenta Dilma parece que entendeu. O que queremos é que, seguindo o rito da lei, o atual Congresso aprove um projeto de decreto legislativo, que foi apresentado agora em outubro, com 188 assinaturas de deputados, para a convocação de uma plebiscito legal, em que a população seja consultada se quer ou não uma Assembleia Constituinte para fazer a reforma política. Aprovado o plebiscito, deveríamos realizá-lo ainda em 2015. Aprovada a convocação da Assembleia, que se formasse uma comissão de juristas indicados pelo Congresso para formatar uma proposta de eleição soberana, sem influência do poder econômico, garantindo representatividade popular, de etnias, gênero, para elegermos uma Assembleia exclusiva, para em curto prazo preparar um novo modelo de sistema político para o país. Uma reforma política que não se restrinja a regras de financiamento e listas de candidatos, mas que debata com a sociedade o modelo mais democrático para garantir que a vontade do povo seja cumprida. Para isso, é necessário fazer mudanças no Poder Judiciário e no atual monopólio da mídia, afinal, que fazem parte do nosso sistema politico. Como o sr. sente o clima político entre militantes de base e povo em geral? Há base social para uma ruptura institucional? O povão quer mudanças, quer sinais concretos para acelerar a solução de seus problemas. Os militantes sociais estão organizando comitês e participando ativamente dos debates, para que possamos convocar uma assembleia constituinte. Percebo que há uma reanimação da juventude, em participar da politica. No meu entender, foi essa militância que no segundo turno garantiu a vitória da Dilma, com sua mobilização na campanha. Não há risco de ruptura institucional. O que viveremos no próximo período é um quadro de muitos conflitos, debates e confusão ideológica. Cabe aos movimentos seguir organizando o povão para fazer luta social. E cabe ao governo dar sinais que quer mudanças. Qual sua avaliação sobre a Operação Lava Jato e a situação interna de corrupção na Petrobras? Sabe-se pela imprensa que esse esquema está montando na Petrobras desde os tempos do governo FHC. É uma vergonha que muitos diretores se locupletaram e se desviaram milhões. Uma vergonha que as empresas pagassem esse pedágio e certamente incluíam depois no custo das obras. Esperamos que a Polícia Federal e a Justiça Federal sejam transparentes, para que toda a sociedade possa acompanhar a realidade dos fatos. Os responsáveis devem ser punidos pelos desvios. O que não podemos aceitar é uma partidarização, que a mídia burguesa está tentando fazer, como se fosse um esquema do PT. Os corruptos e corruptores não tem partidos, têm apenas interesses pessoais. O salutar seria que todas as empresas estatais, do governo federal e de alguns grandes estados como Minas, São Paulo e Rio, também passassem por esse pente fino. A corrupção é um modo particular do capitalismo funcionar na gestão dos recursos públicos. O País está avançando institucionalmente, em razão das prisões, finalmente, de corruptores e corruptos, ou esse é apenas um dado normal de um país democrático? A democracia não pode ser medida pelo número de prisões. A democracia deve ser medida pelo grau de participação popular efetiva nos destinos da Nação. A democracia deve ser medida pelo grau de igualdade que todos os cidadãos devem ter em relação a oportunidades de ter trabalho, terra, moradia, educação e cultura. Infelizmente, o Brasil está muito longe de ser uma sociedade democrática. Ao contrário, estamos entre as sociedades de maior desigualdade social do mundo, apesar de termos a oitava maior riqueza. Portanto, somos uma sociedade altamente antidemocrática. O MST pretende se pronunciar formalmente sobre o momento político? Já estamos nos posicionando nas plenárias de nosso movimento, fazendo debates com nossa militância, participando das plenárias com outros movimentos sociais, nos reunindo com parlamentares e políticos amigos. Nossa pauta é seguir organizando o povo, para lutar por terra, lutar por uma reforma agraria popular, e lutar por uma sociedade mais justa e democrática. Quais os reflexos para a luta no campo das confabulações políticas em Brasília? Brasília é uma ilha da fantasia. O mundo real dos problemas do povo, da cidade ou do campo, ficam muito longe das preocupações de Brasília. Os governos em geral sempre são muito burocráticos e desvinculados da vida real. Como dizia um mestre: " os governos em geral são surdos e cegos" para as demandas populares. Daí a necessidade do povão se organizar e lutar por seus direitos. Nós, do MST, esperamos que o Governo Dilma faça muitas mudanças em Brasília no próximo período. Mude a orientação do Ministério do Desenvolvimento Agrário e do Incra. Mude o jeito de administrar a Conab- Companhia Nacional de Abastecimento, transformando-a numa grande empresa que compre todos os alimentos produzidos pela agricultura familiar e garanta o abastecimento a baixos preços aos trabalhadores. Mude a forma de administrar a educação, enfrentando os problemas do analfabetismo, que ainda atinge a 14 milhões de trabalhadores adultos. E a universalização do acesso dos jovens à universidade, hoje restrito a apenas a 15%. Esperamos que a Dilma chame o MST, os movimentos da Via Campesina e chame todos os movimentos populares para ouvir nossas propostas de soluções de problemas, assim como fez nas eleições. Espertamos que o governo compreenda que só a convocação de uma Assembleia Constituinte pode de fato construir uma reforma politica, que devolva a democracia ao povo. O governo da presidente Dilma tem condições de retomar a iniciativa política? Quais medidas deve tomar? As urnas deram esse poder da iniciativa politica à presidenta. O governo deve atuar de forma simbólica, sinalizando para o povo e para as organizações populares que quer mudanças, ao reorganizar o ministério. E preparar medidas de impacto popular já no primeiro trimestre. O povo está de olho esperando esses sinais. O sr. concorda com a tese de que o novo governo ficou velho antes mesmo de ser anunciado? Não concordo. O governo não tem idade. Ele precisa é demostrar claramente de que lado está. Se está do lado dos bancos, dos especuladores, do capital estrangeiro, das empresas transnacionais, do latifúndio, ou do lado do povo. Em particular, qual sua avaliação sobre a postura política de líderes do PSDB, como o ex-presidente Fernando Henrique, o senador Aécio Neves e outros? Os tucanos têm o direito legítimo de se manifestar e fazer oposição democrática ao governo. Mas seu programa é do passado, e claramente vinculado apenas aos interesses dos bancos e das grandes empresas, o chamado programa neoliberal, que aplicaram durante oito anos no Brasil, e em São Paulo e Minas Gerais por mais de 15 anos. Foram derrotados, porque seu programa não resolve os problemas do povo, só aumentam. Por outro lado, sua postura politica é tipicamente de lideres partidários medíocres, expressão apenas das elites. Por isso, não têm lideres populares em quem o povo confia ou que possam mobilizar e sensibilizar as multidões. Como foi a experiência de ter participado do encontro de movimentos sociais no Vaticano? Como foi a experiência de encontrar o Papa Francisco? O que pode falar sobre ele? A Igreja Católica passou os últimos trinta anos imersa numa visão conservadora do mundo. Isso levou o Vaticano a uma grave crise econômica, política e moral. Por isso, Ratzinger teve coragem de renunciar para encontrar uma saída para a crise. E a saída foi escolher um cardeal progressista, e pela primeira vez em dois mil anos, o primeiro Papa representante da América Latina e do Hemisfério Sul. O papa Francisco demonstra ter consciência das mudanças que precisam ser feitas. Teve a generosidade e a sabedoria de convocar um encontro mundial, com cem líderes populares de todo o mundo, representantes dos mais diversos segmentos dos trabalhadores, dos mais pobres, sem perguntar qual era a crença, líder, ideologia e programa de cada um. Lá nos reunimos durante três dias para analisar a situação atual dos problemas do mundo. Avaliamos as razões e levantamos possíveis saídas. O papa Francisco esteve conosco e manifestou sua opinião num contundente discurso. Saímos de lá, todos, revigorados, percebendo que independente de etnia, crença ou idade, todos enfrentamos os mesmos problemas e que as soluções dependem de uma grande mobilização mundial. Quanto ao personagem Francisco, me surpreendeu pela simplicidade, coragem e sabedoria. Temos um papa gaúcho, mas acima de tudo universal. Parlamentares se reúnem com MST para enfrentar Congresso conservador 19 de novembro de 2014 Por Mayrá Silva Da Página do MST Fotos: Hildebrando Silva Com o objetivo de traçar estratégias de defesa da Reforma Agrária e reformas consideradas estruturantes, como reforma política, tributária e a democratização da comunicação, parlamentares eleitos e reeleitos se reuniram no último sábado (15) com a direção nacional do MST, em São Paulo. A construção de uma frente ampla e de esquerda dentro do Parlamento foi proposta como método de atuação para a próxima legislatura. “Há a necessidade de rupturas no sistema político e mudança da forma de execução e formulação de políticas públicas. Não podemos recuar das conquistas democráticas de 1988, mas temos que promover a reforma política, as mudanças no regime de concessão da mídia, a taxação das grandes fortunas, a participação social e a reforma agrária” defendeu o governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro (PT), durante uma análise de conjuntura. De acordo com o deputado Ivan Valente (PSOL-SP), os movimentos sociais e os partidos políticos têm o desafio de recuperar uma plataforma unificada da esquerda que mobilize a sociedade nas ruas. Neste sentido, segundo o deputado estadual eleito Edegar Pretto (PT-RS), o MST “é importante pelo acúmulo moral adquirido nos últimos 30 anos”. Já para o deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP), é preciso aderir às mobilizações por reforma política. O parlamentar afirmou que não se pode “aceitar recuos de conquistas sociais” e defendeu a democratização dos meios de comunicação como uma ação importante a ser promovida. O advogado Elmano de Freitas (PT-CE), deputado estadual eleito, concordou com a formação de uma frente política comprometida com a agenda da esquerda brasileira. O advogado ainda lembrou a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 4.650, que avalia se é legal ou não o financiamento privado de campanhas pelo Supremo Tribunal Federal (STF). O julgamento, já ganho em prol da proibição do financiamento privado, está parado devido a um pedido de vistas do ministro Gilmar Mendes feito em abril deste ano. O deputado federal Valmir Assunção (PT-BA) disse que é preciso dar atenção à pauta da reforma agrária, tanto no governo federal quanto no Parlamento. Na mesma linha, o deputado Marcon (PT-RS) pontuou que a moradia urbana também deve ser alvo da ação parlamentar do grupo. Cenário difícil Dados do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap) apontam que o Congresso Nacional eleito pode ser considerado o mais conservador desde 1964. Segundo o levantamento, os parlamentares identificados com as causas sociais, a chamada bancada sindical, reduziu-se praticamente à metade - de 83 deputados para 46. Já a bancada ruralista aumentou sua representação. De acordo Uelton Fernandes, da assessoria do PT na Câmara dos Deputados, 135 deputados desta bancada foram reeleitos e 118 eleitos têm alguma afinidade com as pautas ruralistas e que podem se somar ao grupo. “Se todos compuserem a bancada, serão 257 deputados, número capaz de vetar qualquer projeto que vá de encontro aos interesses deles”, explicou Fernandes. Segundo o deputado federal Chico Alencar (PSOL-RJ), 326 deputados estão “nas mãos” de empreiteiras, maiores doadores privados de campanha. O parlamentar comentou os números do Diap e afirmou existir um centro “que dependendo da mobilização popular, podem tender para um lado, ou para outro”. Com este quadro, a pressão para a redução dos direitos trabalhistas, além da flexibilização de regras para o acesso genético, produção agropecuária e direitos do consumidor devem aumentar. “Pautas como a PEC 215 - que dá ao Congresso o poder de demarcar as terras indígenas – a aprovação do uso de sementes estéreis (terminator), a retirada da identificação de transgenia nos rótulos e até mesmo a criminalização dos movimentos sociais devem estar na ordem do dia”, completou o assessor do PT. Para o deputado federal Paulão (PT-AL), soma-se ao conjunto a regulamentação da PEC do Trabalho Escravo, cujo conceito corre o risco de ser mudado para beneficiar a quem se utiliza desta forma de exploração de trabalho. Por sua vez, João Daniel (PT-SE), Sem Terra eleito deputado federal, citou o tema dos devedores e sonegadores como agenda importante. Moção Os parlamentares presentes assinaram uma moção de apoio às 2.500 famílias que ocuparam a fazenda Santa Mônica, complexo de mais de 20 mil hectares localizado entre os municípios de Alexânia, Corumbá e Abadiânia (GO), de propriedade do Senador Eunício Oliveira (PMDB-CE). A moção pede ao Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) a vistoria da propriedade, com sua devida desapropriação e assentamento de todas as famílias acampadas no Acampamento Dom Tomás Balduíno. Uma greve de fome foi iniciada nesta terça (18/11), na Assembleia Legislativa de Goiás, contra o despejo das famílias, marcado para o dia 24 de novembro. Ato em São Paulo reúne 20 mil em defesa da Constituinte e de reformas 14 de novembro de 2014 Da RBA Ao som de Racionais MCs e Luiz Gonzaga, 20 mil pessoas ligadas a movimentos sociais, partidos e sindicatos realizaram ontem (13) uma manifestação na avenida Paulista, região central da cidade, em defesa de reformas estruturais e em apoio a proposta da presidenta Dilma Rousseff (PT) de realizar um plebiscito para consultar a população sobre como efetivar a reforma política. O ato também foi um rechaço contra a ação realizada no último dia 1º, em que cerca de duas mil pessoas pediram o impeachment da presidenta e intervenção militar no país. O tema central do ato, considerado prioritário para os movimentos é a reforma política. Com financiamento público de campanhas para acabar com a interferência do poder econômico nas eleições, maior participação popular nas decisões e isonomia para que os partidos concorram em igualdade de condições nos pleitos. Entenda o plebiscito Entre os dias 1º e 7 de setembro, a CUT e outras 400 organizações sociais promoveram um plebiscito popular que resultou em mais de 7,7 milhões de votos a favor de uma constituinte exclusiva para reformar o sistema político e pressionar o Congresso a convocar a consulta oficial. Para isso, no dia 30 de outubro, foi protocolado na Câmara o Projeto de Decreto Legislativo (PDC) 1508/2014, de autoria dos deputados Renato Simões (PT-SP) e Luiza Erundina (PSB-SP), para convocar o plebiscito. Caso o projeto seja aprovado, os eleitores irão às urnas para dizer sim ou não à mesma pergunta realizada no plebiscito popular: “Você é a favor de uma Constituinte Exclusiva e Soberana do Sistema Político?”. Em junho do ano passado, Dilma propôs um plebiscito para consultar a população sobre quais mudanças devem ser feitas no sistema eleitoral. No entanto, houve resistência no Congresso, que travou a medida. Ainda hoje os parlamentares resistem à proposta, mesmo nos partidos que compõem a base aliada da presidenta, como PMDB. O presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Vagner Freitas, avalia que é grande a disposição dos movimentos e organizações para apoiar a presidenta Dilma na condução dos processos. “Ela ganhou para colocar as reformas em pauta e nós estaremos nas ruas para apoiar. O mercado financeiro e a direita não podem pautar o governo dela, porque eles perderam a eleição. Quem venceu foi a agenda progressista”, afirmou. O coordenador nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Guilherme Boulos, uma das entidades que promoveram a manifestação."Hoje temos aqui o povo brasileiro. Não é a meia dúzia de 'playboyzinhos' que ficou bravinha com a derrota do seu candidato [Aécio Neves (PSDB)]. Aqui também queremos intervenção. Mas do povo nos rumos da política", afirmou. Boulos ressaltou a importância do plebiscito constituinte para tentar evitar que a reforma política não fique nas mãos de deputados e senadores. “Na eleição se falou muito em mudança. Isso é com a reforma política. Mas o Congresso hoje é 90% formado por empresários, banqueiros e latifundiários. É ilusão acreditar que eles vão fazer a reforma, sendo financiados pela Friboi, pela Odebrecht”, disse, ilustrando a necessidade de suprimir definitivamente o financiamento de campanhas eleitorais por empresas. Freitas defendeu também a democratização das comunicações, considerada por ele como parte da reforma política. “Hoje não há democracia nas comunicações, mas sim uma ditadura controlada por seis famílias”, disse, dialogando com a candidata derrota na última eleição presidencial Luciana Genro (Psol), que ele considerou prejudicada pela seleção feita por parte da imprensa sobre quem pode ou não aparecer nos jornais e debates. “Nem todos têm espaço e isso deve ser corrigido”, completou. Luciana afirmou que a direita não quer que o povo lute por melhores condições de vida e são incapazes de aceitar o mínimo avanço das políticas sociais. “Nós vamos enfrentar quem for para garantir os direitos dos trabalhadores, dos jovens, das mulheres, dos LGBT. A maioria do nosso povo quer democracia real e não essa ditadura do mercado financeiro”, afirmou, também defendendo a reforma política. Estruturais Entre as demais propostas também tratadas no ato estão as reformas agrária e urbana, que garantam acesso à terra para todos, com apoio à produção familiar no campo e regras para a fixação dos valores de aluguel, sobretudo o residencial, nas cidades. Destacou-se também a desmilitarização da segurança pública, unificando as polícias e estabelecendo controle social orientado para a atuação cidadã. Uma reforma tributária, que garanta a progressividade dos impostos para deixar de onerar mais pesadamente os pobres, também está na pauta dos movimentos. Esse é um dos temas mais difíceis de solucionar, que se arrasta desde os anos 1960 no Congresso. “Não é possível o trabalhador ser taxado no salário e nos alimentos básicos, enquanto as grandes fortunas e os itens de luxo, como helicópteros ou lanchas, não terem qualquer imposto”, protestou Freitas. Para os movimentos, no entanto, é preciso que a presidenta Dilma sinalize interesse em “guinar à esquerda”. Queremos que ela receba os movimentos e entidades que foram para a rua e atuaram para garantir a reeleição dela. O compromisso desse governo deve ser com o povo e não com o mercado financeiro”, disse Freitas. “Se a presidenta cortar investimentos sociais, o ano que vem será marcado por ocupações, greves e lutas. Vá cortar no lucro dos bancos, vá democratizar os meios de comunicação, vá fazer auditoria na dívida pública”, afirmou Boulos. Mobilização A militante Paola Estrada, da Secretaria Operativa Nacional do Plebiscito Popular da Constituinte, ressaltou que não apenas a grande participação na marcha como também o número de movimentos participantes, que chegaram a 500 organizações. “Há 30 anos não vemos uma campanha tão ampla. Mas temos que ficar atentos porque a grande imprensa tenta dissimular até mesmo a fala da presidenta Dilma quando cria a falsa polêmica entre plebiscito e referendo”, explicou. Em paz Apesar da forte chuva que atingiu a região central de São Paulo no fim da tarde, os manifestantes não desanimaram e marcharam pelo bairro dos Jardins, indo até a praça Roosevelt. No caminho, dançaram forró em frente ao hotel Renaissance e questionaram a xenofobia expressada contra os nordestinos após o resultado das eleições. “A juventude tem outro método para tomar as ruas, com alegria e a luta do povo”, disse Beatriz Lourenço, do Levante Popular da Juventude. A Polícia Militar (PM), que acompanhou o ato sem equipamentos ostensivos, mantinha em frente ao hotel – para defendê-lo da manifestação – um grupamento com cinco viaturas e quinze policiais com escudos e armaduras, além de armas de bala de borracha e bombas de gás lacrimogênio. Não houve confrontos. Dali, os manifestantes seguiram pela rua da Consolação até a praça Roosevelt, onde um homem identificado apenas como Osmar teve uma convulsão e foi socorrido pelos participantes do ato e pelo coordenador do MTST, Josué Rocha, que é médico. Osmar foi levado para a Santa Casa de Misericórdia desacordado e não houve novas informações até o fechamento da reportagem. Há dez anos perdíamos Celso Furtado 21 de novembro de 2014 Por Rosa Freire d’Aguiar 20 de novembro de 2004: era um sábado, final da manhã. Celso queria ver o documentário “Sob a névoa da guerra”, em que Robert McNamara relembra seus tempos de ex-presidente do Banco Mundial e ex-secretário de Defesa americano. Tínhamos perdido o filme em Paris, desde então premiado com o Oscar de melhor documentário. Eu ia à locadora pegar o dvd e, na volta, passaria pela feirinha da Arcoverde para comprar salmão e quem sabe uma pamonha. Antes, resolvi fazer um café. Quando entrava na cozinha percebi que Celso, em pé e levemente debruçado sobre a mesa de jantar, lendo as manchetes do jornal do dia, fez um movimento para trás. Recuei, o segurei pelo braço: “Cuidado, você vai cair.” Caiu. Parada cardíaca. Nada a fazer. 20 de novembro de 2014: publico, para quem não leu na época, o último artigo que ele escreveu, no início daquele mês. “Para onde caminhamos?” saiu no Jornal do Brasil de 14 de novembro de 2004. Entre outros temas, a urgência de uma reforma fiscal e as altas taxas de juros, “entre as mais altas do mundo”, que sufocam a economia do país. Outro texto que vale a pena reler, escrito seis meses antes, é “Os desafios da nova geração”, enviado à III conferência internacional da RedCelsoFurtado, no Rio. Nele, a advertência de que a metamorfose do crescimento em desenvolvimento “não se dá espontaneamente. Ela é fruto da realização de um projeto, expressão de uma vontade política.” Movida pelo propósito de levar aos mais (e menos) jovens sua herança intelectual, cuidei diretamente, nesses dez anos, da publicação de treze livros de/sobre Celso. Aqui vai a lista. Também sua biblioteca está organizada e com acesso público, abrigada desde 2009 no Centro Internacional Celso Furtado. Clique para entrar no site da Biblioteca Celso Furtado, onde além do acervo de onze mil títulos, com catálogo on line, há um Banco de Teses sobre ele, com cerca de cinquenta títulos, e um Banco de 180 artigos acadêmicos a seu respeito. Sua bibliografia completa está disponível e a bibliografia sobre Celso Furtado também. E aqui encontra-se, atendendo a sugestão de professores de economia e especialistas na obra de Celso, a listagem dos sumários de todos os seus livros. Boa leitura. “O capital está indo muito bem, mas povo está mal”, diz David Harvey 19 de novembro de 2014 Da Terra de Direitos A presença do geógrafo marxista David Harvey lotou o Teatro da Reitoria da Universidade Federal do Paraná (UFPR) na noite desta terça-feira (18). Com o auxílio de aparelhos de tradução de áudio, o geógrafo britânico falou para mais 700 pessoas sobre a Economia Política da Urbanização. Houve também a transmissão simultânea da palestra, acompanhada por internautas de vários estados brasileiros. O professor está no Brasil para lançar sua nova obra: Para entender o Capital: Livros II e III, que chegará às livrarias junto com o segundo volume de O Capital. Conhecido pelas suas análises das dinâmicas do capital nas cidades, Harvey falou sobre a forma com a construção do capital nas cidades interfere no âmbito econômico e na insatisfação social. O pensador marxista destacou que as manifestações ocorridas em todo o Brasil, em junho de 2013, refletem isso. Os protestos, que começaram por razões isoladas, rapidamente se espalharam pelo país, e envolveram diferentes camadas da população. Algo semelhante aconteceu na Turquia, no mesmo ano. Ambos os países estavam em crescimento econômico. Para Harvey, a resposta para a razão das manifestações terem sido realizadas em períodos de prosperidade é relativamente simples. “A renovação do crescimento econômico se dava em nível global, mas o crescimento não era do bem-estar social”. Segundo o geógrafo, os protestos são resultados de mais de uma década de insatisfação social. A concentração de renda mundial é um dos sintomas dos limites do capitalismo. Harvey aponta que duas mil famílias do mundo possuem metade da riqueza gerada. “A classe capitalista não está interessada em mudar nada”. Desde 2007 e 2008 o grupo que se recuperou muito bem da crise financeira é o 1% mais rico, e as empresas capitalistas operam com altas taxas de juros. “O capital está indo muito bem. Mas povo está mal, e por isso levanta a voz”. Direito à moradia X especulação imobiliária Como exemplo dos problemas urbanos no capitalismo, o professor fala a questão da moradia, da construção de condomínios de alto nível, que geram empregos, mas potencializam a especulação imobiliária: “Muitas pessoas estão achando impossível arcar com os custos de viver na cidade onde moram. Nos Estados Unidos, por exemplo, a população de baixa renda gasta 80% da sua renda em aluguel”. Nesse país, a grande maioria da população tenta viver com menos de 30 mil dólares ao ano. No entanto, grande parte das pessoas paga mais de mil dólares ao mês de aluguel. “Em Istambul [na Turquia] é impossível para pessoas normais encontrar um lugar para morar”, dispara o geógrafo, afirmando que as pessoas estão preocupadas com lugar para morar, enquanto o estado está preocupado em incentivar a construção de condomínios. “Por isso ateiam fogo nas favelas, e mandam o pessoal longe 30km, na periferia. Mas esse fenômeno não e só em Istambul. É em São Paulo, é global”, em referência a casos recorrentes de incêndios em favelas no Brasil. Megaprojetos e megaeventos Para Harvey, sempre houve acúmulo de riquezas e concentração de poder econômico na construção das cidades. “A idéia de urbanização é planetária. Estamos urbanizando o planeta a uma velocidade absurdamente alta”, provocando a platéia a lembrar de Curitiba nos anos 1970, e depois imaginar o que será daqui a algumas décadas, diante da velocidade do crescimento. E megaprojetos e megaeventos estão na ponta dos processos de crescimento e mercantilização das cidades, em detrimento das necessidades da população. Esta situação pode ser vista no Brasil, em decorrência da Copa do Mundo de 2014: “O capital adora megaprojetos, megaestádios. Adora construir coisas para espetáculo, porque tem movimento instantâneo. Espetáculos são cada vez mais elaborados. Interessante que toda cidade onde ocorrem jogos olímpicos quebram”, aponta Harvey. Diante do quadro crônico de desigualdade e do acirramento da exploração, Harvey concluiu a necessidade de lutar contra a maneira como o capital é construído nas cidades. “Se você está num sistema em que tudo está indo mal o tempo todo, temos que ver a teoria de Marx. Tirar o capital do caminho. O capital é um problema. E temos que inventar novas maneiras das pessoas irem bem sem depender do capital. A habitação é um direito, educação é um direito, e devia ser aberta para todos”. E assume um lado: “É por isso que sou anticapitalista”. Importância da discussão Na apresentação de Harvey, Luana Coelho Xavier, advogada popular da Terra de Direitos e integrante do Mobiliza Curitiba, reforçou a importância de receber esta aula e este debate sobre o direito à cidade, já que Curitiba vive o processo de revisão do Plano Diretor, com pouco incentivo à participação popular. “Será que o direito à cidade que a gente pensa é o direito a esta cidade? Ou precisamos lutar pelo direito à cidade que queremos?”, fazendo relação ao modelo de cidade que ganha força atualmente no capitalismo, com forte especulação imobiliária, expulsão dos mais pobres para a periferia e realização de megaprojetos e megaeventos que prejudicam a população. Durante a mesa de abertura do evento, o coordenador da Terra de Direitos, Darci Frigo, destacou que a palestra realizada foi uma “oportunidade impar de enfrentarmos os problemas que a cidade vive, dando ênfase ao processo de revisão do Plano Diretor”. Frigo também apontou a visão positiva construída sobre Curitiba, que, na verdade, é marcada pela desigualdade. Hilma de Lourdes, também presente na mesa pela União Nacional de Luta por Moradia, e representando a Frente Mobiliza Curitiba, destacou que “a luta hoje não é apenas pela cidade, mas ao Centro da cidade”. O evento foi realizado pela Terra de Direitos, Programa de Pós-graduação em Direito da UFPR, Pró-polis (Núcleo de estudos de Direito Administrativo, Urbanístico, Ambiental e Desenvolvimento), e teve o apoio da Frente Mobiliza Curitiba. Vera Karan, representando a reitoria da UFPR e professora do curso de Direito da universidade, Angela Cassia Costaldello, da pós-graduação em direito da UFPR, e Artur Renzo, Boitempo, também participaram da mesa de abertura.

Sunday, November 16, 2014

Santuario de Ballenas e mais- Noticias de WWF y Greenpeace

WWF celebra el pleno apoyo del Cabildo de Lanzarote al Santuario de Ballenas en aguas canarias 59 1 881 Publicado el 14 noviembre 2014 WWF celebra el apoyo de la máxima institución de gobierno de la isla de Lanzarote para crear un Santuario de Ballenas y Delfines en aguas al oriente de Lanzarote y Fuerteventura, tal y como propuso WWF. La iniciativa, que ya ha recogido casi 35.000 firmas de apoyo popular, insta al Ejecutivo a abandonar de forma inmediata el proyecto petrolero en Canarias, en favor de la creación de una gran Área Marina Protegida (AMP) para cetáceos que garantice su conservación futura. A un día del comienzo de los sondeos, WWF pide a REPSOL que reconsidere su posición. En sesión plenaria celebrada en la mañana de hoy, el Cabildo de Lanzarote ha aprobado por mayoría, con la abstención del Grupo Popular, adherirse a la petición de WWF para declarar un Santuario de Ballenas y Delfines en aguas marinas al oriente de Lanzarote y Fuerteventura. WWF España felicita a la Corporación Insular por este gesto, en un momento clave donde el futuro de estos singulares mamíferos marinos y su hábitat está gravemente amenazado. La causa, la inminencia de los sondeos petrolíferos autorizados a REPSOL por el Gobierno de España a 50 km de las costas. Según información actualizada, el buque perforador Rowan Renaissance se halla ya en las inmediaciones de Canarias de camino al área de prospección, bautizada como Sandía, a la que estima llegar mañana sábado, 15 de noviembre. La petición promovida por WWF España se basa en una propuesta de Área Marina Protegida (AMP) para cetáceos elaborada en 2011 por la SECAC, a instancias del propio Ministerio de Medio Ambiente. Iniciativa que fue relegada en favor de un proyecto petrolero, ampliamente rechazado por la sociedad y por la comunidad científica internacional. WWF recuerda que las prospecciones se realizarán en una de las áreas marinas más relevantes del mundo por su concentración y extraordinaria diversidad en ballenas y delfines. Recientemente se ha realizado una campaña de investigación por parte de científicos de la SECAC y CEAMAR, a petición del Gobierno de Canarias y del Cabildo de Fuerteventura. A falta del informe final, las conclusiones preliminares refrendan la importancia del área para la alimentación, reproducción, cría y migración de numerosas especies de ballenas y delfines, así como para tortugas y aves marinas. También destacan la presencia de diversas especies de buceo profundo, raras y poco conocidas a escala global, como cachalotes, calderones y los esquivos zifios, especialmente sensibles a la contaminación acústica aparejada a las actividades de prospección petrolera. Según Juan Carlos del Olmo, Secretario General de WWF: “Los sondeos petrolíferos autorizados en Canarias son incompatibles con los trabajos de conservación de los cetáceos y de su hábitat, según las recomendaciones de los científicos. De hecho, dejan patente la posibilidad de sufrir lamentables varamientos en masa como consecuencia de una contaminación acústica que, junto a otros muchos aspectos, ha sido evaluada de forma deficiente en el Estudio de Impacto Ambiental (EIA)”. Y concluye: “El apoyo del Cabildo de Lanzarote a la iniciativa de WWF supone un revulsivo importante al que esperamos se sumen también el resto de instituciones públicas de Canarias”. A tan sólo un día del previsible comienzo de las prospecciones, la organización hace un nuevo llamamiento a la cordura e insta a REPSOL y al Gobierno de España a abandonar de forma inmediata los planes petroleros, en favor de la creación de una AMP para ballenas y delfines que asegure preservación futura de la increíble biodiversidad marina presente en las aguas más importantes de Europa para cetáceos. Notas al editor: En la reunión de la 11ª Conferencia de las Partes de la Convención sobre la conservación de las especies migratorias de animales silvestres (CMS) de Naciones Unidas, celebrada la pasada semana en Quito (Ecuador), se acordó incluir la subpoblación mediterránea de zifio de Cuvier en el Apéndice I (especies que requieren una protección estricta), a propuesta de la UE, y que dicha especie se haya presente en la zona del proyecto Concentraciones hoy en Canarias contra las prospecciones Ante la inminente llegada del buque de REPSOL a la zona de las prospecciones, los colectivos canarios han convocado concentraciones en todas las islas para hoy a las 18h. Gran Canaria: entrada del Puerto de Las Palmas (Rotonda de Belén María). Tenerife: frente a las plataformas que hay en el puerto (Avenida Marítima) Lanzarote: en Arrecife, frente a delegación del Gobierno (Calle Blas Cabrera Felipe, 6) La Gomera: en San Sebastián, en la Dirección Insular de la Administración del Estado (Plaza de las Américas, 2) El Hierro: en Valverde, en la Dirección Insular de la Administración del Estado (C/ Dacio Darías,103) La Palma: en Santa Cruz, Dirección Insular de la Administración del Estado (Avda Marítima 2) Fuerteventura: Puerto del Rosario, frente a la Delegación del gobierno (Calle Primero de Mayo, 64) El PP se pliega a los grandes propietarios y aprueba la enmienda que mantiene la caza en parques nacionales 118 1 1328 Publicado el 12 noviembre 2014 | 0 Comments Los intereses particulares de grandes propietarios de fincas han pesado más para el Partido Popular que la defensa del bien común y la protección de la naturaleza. Los parques nacionales quedan desprotegidos ante la caza después de que el grupo popular en el Senado votara hoy en solitario una enmienda que mantiene esa y otras actividades. SEO/BirdLife, WWF y Ecologistas en Acción negociaron hasta el último minuto en innumerables reuniones y llamadas telefónicas y ofrecieron un texto alternativo para desatascar la tramitación de la ley, pero no fue posible encontrar el consenso. Las ONGs proponían que, en cuanto a los acuerdos voluntarios con propietarios de derechos en parques nacionales, figurara explícitamente la supresión de la caza en Cabañeros y todos los parques nacionales. El PP se opuso a ello. La responsabilidad demostrada por las ONGs ecologistas, que contaron con el apoyo de todos los grupos de la oposición en el Senado, ha contrastado con la cerrazón del PP ante las propuestas alternativas presentadas. El grupo popular modifica así, en solitario, una ley que databa de 2007 y que contó con el apoyo de todos los grupos políticos. En esta ocasión, se hace evidente que poderosos intereses particulares, especialmente en el caso del Parque Nacional de Cabañeros, han podido más que la opinión de la sociedad civil, la comunidad científica o incluso los propios directores de los parques nacionales. Hay que recordar que 11 de los 15 directores de parques firmaron una carta haciendo ver lo inadecuado de la reforma legislativa emprendida por el PP. La reforma de la ley de Parques Nacionales nace sin ningún tipo de consenso y envuelta en una gran polémica. Es de esperar que muy pronto deba ser analizada por el Tribunal Constitucional, tal y como han apuntado senadores de la oposición. Los 15 parques nacionales son las joyas de la naturaleza española. Tienen un siglo de historia, son visitados cada año por 10 millones de personas y ocupan sólo un 0,7% del territorio. Todo ello, sin embargo, ha pesado menos que el interés del Partido Popular por legislar en favor de unos cuantos individuos. Esta reforma se dirige ahora al Congreso para concluir su tramitación parlamentaria, y las organizaciones ecologistas reiteran su compromiso para seguir luchando en defensa del patrimonio natural de todos los ciudadanos. Día D para los Parques Nacionales y el bien común 156 0 390 Publicado el 12 noviembre 2014 A pocas horas de la votación de la reforma, continúan las negociaciones a la espera de una respuesta del PP El futuro de los Parques Nacionales se decidirá previsiblemente a lo largo de la mañana de hoy en el Senado. Las organizaciones ecologistas mantuvieron reuniones con todos los grupos hasta última hora de ayer y presentaron una propuesta de enmienda transaccional que evitaría la total desprotección de estos espacios. Las negociaciones continúan a la espera de que el Partido Popular atienda la propuesta alternativa. El régimen de protección de los quince parques nacionales está en riesgo con la reforma de la Ley que se votará hoy en el Senado. El aspecto más conflictivo de esta reforma es la Enmienda 278, presentada por el grupo popular en la Cámara Alta. Abre la puerta a usos y actividades incompatibles en la totalidad de la red de parques, contempla nuevas prórrogas y antepone el interés particular al bien común y la defensa de la naturaleza. #DefiendoMisParques from Prensa Ecologistas on Vimeo. Prueba de la amenaza que supone la Enmienda 278 es el fuerte rechazo generado desde su presentación, hace tres semanas. Todos los grupos de la oposición, directores de parques nacionales, representantes municipales y miembros de la comunidad científica critican la propuesta del Partido Popular. Una propuesta alternativa fue presentada anoche por Ecologistas en Acción, SEO/BirdLife y WWF. Se trata de una enmienda transaccional, que cuenta ya con el apoyo de toda la oposición, en la que se contempla un plazo máximo de cuatro años para adecuar la situación de los Parques Nacionales a la ley. Además se declara de utilidad pública la supresión de usos incompatibles con estos espacios. La propuesta aporta mayor seguridad jurídica y encaja con el resto de la ley de Parques Nacionales. La enmienda transaccional es una propuesta realista y realizable que muestra la responsabilidad de las organizaciones ecologistas a la hora llegar a acuerdos en favor de los Parques Nacionales y el bien común. A pocas horas de la previsible votación, el Partido Popular tiene la oportunidad de mostrar voluntad de consenso y demostrar que comprende la importancia de nuestros parques nacionales. Última llamada frente a una enmienda que amenaza los parques nacionales 124 0 711 Publicado el 11 noviembre 2014 A menos de 24 horas de la previsible votación en el Senado de la Ley de Parques Nacionales, todos los grupos de la oposición se han unido a las organizaciones ambientalistas para reclamar que se frene una enmienda a la ley de Parques Nacionales que desprotegería los quince espacios en favor de intereses particulares. Se trata de un texto incoherente, conflictivo en la forma y en el fondo, que amenaza los santuarios de la naturaleza, el 0,7% del territorio estatal. Se trata de la primera vez en esta legislatura que todos los grupos de la oposición se unen en un frente común, gracias al impulso de las organizaciones ecologistas, como recalcaron en una rueda de prensa ofrecida en el Senado. La reforma de la ley de Parques Nacionales, rompe con el consenso y tiene claros visos de inconstitucionalidad. Prueba de ellos es que también por primera vez, el Consejo de Estado recomienda la revisión de todo el texto. Debemos defender hasta el final nuestros quince Parques Nacionales, apuntó Asunción Ruíz en nombre de SEO/ BirdLife, Ecologistas en Acción y WWF. Las tres organizaciones que forman parte del consejo de red de parques nacionales negociarán “hasta el último minuto y con todos los grupos parlamentarios un texto alternativo”. La urgencia es máxima, a la vista de que la votación de la reforma está prevista para el miércoles. Las reuniones con todos los grupos, incluido el popular, se sucederán a los largo de la tarde. “El objetivo de la reforma era consolidar y coordinar la red de parques, pero el texto va en la dirección contraria. Está repleto de disposiciones adicionales, es decir, de excepciones que permiten actividades incompatibles con la protección. El vuelo sin motor en el parque de Guadarrama y la navegación en Monfragüe son algunas de ellas”, explicó Ruiz. “La guinda llegó con una enmienda, la 278, presentada por el grupo popular al paso de la reforma por el Senado”. Las exigencias de los grupos de oposición y de las organizaciones ecologistas es clara. Que se frene la aprobación de una reforma tan contestada y criticada. Quedan unas horas para lograrlo, resaltó Ruiz, que abogó por diseñar una hoja de ruta que incluya aspectos financieros relativos a la protección de los parques nacionales. “Por compromiso, por misión y por responsabilidad vamos a luchar hasta las últimas consecuencias contra la reforma”, aseguró. Esta enmienda, que ha sido modificado modificada parcialmente, acaba con el régimen de protección de los parques poniendo todas las decisiones en manos de acuerdos voluntarios, abriendo la puerta a usos incompatibles en la totalidad de la red y contemplando nuevas prórrogas. La ya conocida como “enmienda Cospedal” atiende a compromisos personales con trece familias, aseguró Fidalgo. De facto abre la posibilidad a que se permitan actividades que por ley estaban ya prohibidas. Urbanización, cacerías, navegación o minería podrían permitirse en toda la red. © WWF Ampliar Enlaces relacionados Cuenta atrás para evitar que los Parques Nacionales se conviertan en cotos de caza Miércoles 12: Día D para los Parques Nacionales Organizaciones ecologistas y partidos de la oposición defienden los Parques Nacionales en el Senado 25 0 30 Publicado el 11 noviembre 2014 En víspera de la votación de una enmienda del PP que amenaza los quince espacios La defensa de los Parques Nacionales ha unido a representantes de organizaciones ambientalistas y formaciones políticas, poniendo de manifiesto la soledad el Partido Popular en su empeño de reformar la Ley de Parques Nacionales. Representantes de Ecologistas en Acción, SEO/BirdLife y WWF ofrecen hoy, martes, una rueda de prensa en el Senado junto a miembros de grupos de la oposición que han presentado vetos contra las enmiendas del PP. La rueda de prensa se celebra en víspera de una previsible votación en la Cámara Alta de una propuesta del Partido Popular que amenaza los cimientos de los parques nacionales y que pone en peligro su catalogación internacional. La reforma de la Ley de Parques Nacionales podría acabar con el régimen jurídico de máxima protección del que gozan en la actualidad. El PP introdujo una enmienda al paso de esta reforma por el Senado, que desprotegería el bien común en beneficio de determinados intereses particulares. Esta enmienda ha puesto en máxima alerta a las organizaciones ambientalistas y despertado la indignación social. Greenpeace “clausura” Los Pinos Agrega un comentario Noticia - 13 noviembre, 2014 México D.F. – Cuando una oficina, un negocio o un servicio no funciona o no cumple con la Ley, lo que sigue, es cerrarlo. Por eso un grupo de 15 voluntarios de la organización Greenpeace México llegó hasta uno de los accesos de la Residencia Oficial de Los Pinos y clausuró simbólicamente este sitio ante la incapacidad del titular del Ejecutivo, Enrique Peña Nieto, para resolver la problemática ambiental del país. Los activistas colocaron frente a uno de los accesos principales del inmueble una manta con la leyenda "CLAUSURADO POR DESTRUIR MÉXICO" en protesta por los reglamentos para el sector hidrocarburos recientemente decretados por Peña Nieto, los cuales no garantizan la conservación y protección de los recursos naturales de todos los mexicanos y por el contrario, conducen al país hacia la destrucción de sus ecosistemas. “Enrique Peña Nieto, si no puedes cumplir con tu deber para con los mexicanos y garantizar seguridad, paz y justicia, acabar con el control corporativo de los recursos naturales y con la impunidad para contaminar y devastar, si no puedes ser congruente con tus discursos de sustentabilidad y combate al cambio climático no deberías ocupar Los Pinos”, señaló Aleira Lara, vocera de Greenpeace. Mientras los activistas se mantenían en resistencia civil pacífica frente a las vallas que custodiaban los accesos al recinto, una comitiva de Greenpeace fue recibida por el área de gestoría de la Presidencia de la República. Alonso Crespo / Greenpeace Greenpeace es una organización abierta al diálogo por lo que aceptó que se programara otra reunión con el responsable de Atención Ciudadana de la Presidencia, Carlos Romero este 13 de noviembre, encuentro al que asistiremos para reiterar nuestra petición de audiencia con Enrique Peña Nieto, como responsable directo de la política ambiental del país. Porque la protección al medio ambiente no es un tema negociable seguiremos exigiendo políticas y leyes que realmente garanticen la salvaguarda de nuestros ecosistemas y la justicia social y ambiental con las comunidades. Una reunión exprés no resuelve los problemas del país ni nos persuade de ejercer nuestro derecho a la protesta civil pacífica. Peña Nieto no escucha, decreta Agrega un comentario Noticia - 5 noviembre, 2014 A pesar del anuncio de Enrique Peña Nieto de que sometería a discusión las reformas a las leyes ambientales incluidas en su denominado Paquete Verde para hacer operativa la Reforma Energética, el primer mandatario anunció el pasado 3 de noviembre que ya había decretado los cambios necesarios para construir el “andamiaje legal” de dicha reforma. (1) Se trata de modificaciones a los Reglamentos de la Ley General de Desarrollo Forestal Sustentable, la Ley General de Equilibrio Ecológico y la Protección al Ambiente, y la Ley General para la Prevención y Gestión Integral de los Residuos, entre otros. “Cada una de las modificaciones propuestas requieren un análisis para conocer a detalle el impacto que tendrán en el medio ambiente y en las comunidades y desde Greenpeace haremos esa tarea, sin embargo cuestionamos desde ahora que tratándose de la regulación de un sector de alto riesgo, como es el de la industria de los hidrocarburos, no hayan sido sometidas a una discusión abierta y pública”, señaló Silvia Díaz, vocera de Greenpeace México. “El proceso de aprobación de estas reformas no se abrió a discusión, no pasó por el Congreso, a pesar de que anunció que así sería, negando la oportunidad de que los representantes de los ciudadanos en las dos cámaras u otros sectores como los ambientalistas pudiesen enriquecer estas propuestas”, abundó Díaz. El pasado 8 de octubre Greenpeace hizo llegar al Ejecutivo una serie de iniciativas de reformas a diversas leyes con el fin de fortalecer la protección de los ecosistemas mexicanos ante la amenaza de un deterioro mayor como consecuencia de la Reforma Energética, las cuales no fueron tomadas en cuenta. Con las reformas decretadas por Enrique Peña Nieto, no solo se desoyen las recomendaciones de los especialistas y de los sectores preocupados por la protección del medio ambiente, sino que pone en riesgo el cumplimiento de las metas de sustentabilidad que el titular del Ejecutivo pregona en sus discursos. Peña Nieto no escucha, simplemente decreta. Greenpeace seguirá cuestionando y proponiendo. Greenpeace se suma a 3ra jornada global por Ayotzinapa Agrega un comentario Noticia - 4 noviembre, 2014 México, D.F.- A 39 días de los incidentes violentos en los que 6 personas perdieron la vida, 20 más resultaron heridas y 43 fueron desaparecidas por la policía municipal en Guerrero, Greenpeace se sumará este miércoles a la jornada de acción global por Ayotzinapa para manifestar su solidaridad con los familiares y amigos de las víctimas y exigir justicia. Greenpeace desde su fundación, hace 43 años, estableció una serie de principios entre los que se encuentra la búsqueda de un mundo más verde, pacífico y justo para todos, una convicción moral por la que no puede ignorar actos de injusticia que atenten contra la dignidad de las personas y el equilibrio de los ecosistemas. En su nombre se refleja la naturaleza de sus valores y objetivos Green (verde) peace (paz). La corrupción, la impunidad, la inequidad y la violencia que se viven en México son realidades a las que Greenpeace no puede cerrar los ojos. Precisan la atención y la acción de todas las personas que coinciden con los principios de esta organización en la que también se promueve la paz y la justicia social. El caso de la desaparición forzada de los estudiantes de la Escuela Normal Rural Raúl Isidro Burgos, de Ayotzinapa, marca un punto de quiebre que evidencia la fuerte descomposición en los tres niveles de gobierno: municipal, estatal y federal, infiltrados o no por el crimen organizado, y en los que las violaciones a los derechos humanos y crímenes impunes son cada vez más recurrentes. Greenpeace invita a sumarse a esta marcha con el fin de exigir un alto a la impunidad, a la corrupción, a compartir la indignación y demandar un mejor país, uno donde se respete el derecho a la vida. Greenpeace, al igual que millones de personas, organismos internacionales y gobiernos de otros países, exige al presidente Enrique Peña Nieto justicia para las víctimas y sus familias, una investigación transparente, castigo para los responsables de este crimen y garantizar un país con paz y con justicia ambiental y social. En solidaridad con los 43 estudiantes y sus familias. Actúan por nosotros, corremos por ellos Entrada de blog por Nadia González - noviembre 16, 2014 a las 7:06 Agregar un comentario Paco, Juan, Ximo, Alejandro y Miguel se han unido hoy a la gran Maratón de Valencia, para correr 42 kilómetros. Y es que hoy nos sumamos a este evento deportivo, que congrega a más de 20.000 personas, en solidaridad con 16 activistas y un fotoperiodista freelance, que puede ir a la cárcel. Hoy estos 5 deportitas corren por ellos en la ciudad donde se celebrará el juicio, Valencia, porque los 17 de Cofrentes actuaron por todos nosotros. Hoy corremos también por Matilda, la activistas herida ayer en la acción en Canarias contra las prospecciones petrolíferas de Repsol. Hoy corremos por todos los que seguimos y seguiremos defendiendo el medio ambiente, porque es nuestro derecho y nuestro deber, según recoge el árticulo 45 de la Constitución. Los corredores llevan cinco grandes globos amarillos con el lema #Misión45 ¿Por qué? Porque en las próximas semana 16 activistas de Greenpeace y un periodista freelance se enfrentan a un juicio por el que se les piden penas de casi tres años de cárcel, acusados de desorden público, daños y lesiones, a todo esto hay que sumarle que Greenpeace podría tener que pagar una multa de 360.000 euros. La acción en la central nuclear de Cofrentes tuvo lugar el día 15 de febrero de 2011, donde subieron a una de las torres de refrigeración y pintaban “Peligro Nuclear”. Greenpeace denunciaba así que la energía nuclear es una energía obsoleta, peligrosa y no es barata. Hace tres años que esperamos este juicio, que tendrá lugar el próximo 4 de diciembre. Y hoy empezamos una campaña que durarán 17 días. Durante estos días os iremos proponiendo 17 misiones para visibilizar el apoyo a los activistas encausados. ¡Síguenos! y tuitea con el hagstag #Misión45 ¿Qué puedes hacer tú? - Conoce a los 16 activistas y un periodista freenlance que hicieron la acción en la centra nuclear de Cofrentes. Entrada de blog por: Nadia González Periodista. Digital & community manager en @Greenpeace_esp Perfil en Google + En vivo/ Greenpeace frente a Repsol en Canarias, donde planea iniciar sus prospecciones Entrada de blog por Raúl San Mateo y Nadia González - noviembre 14, 2014 a las 13:47 Agregar un comentario Durante el 14 y el 15 de noviembre hemos estado protegiendo el área que Repsol y el Gobierno español quieren comenzar a perforar en busca de petróleo a pesar del rechazo masivo de la sociedad canaria. En este blog te contamos en detalle todo lo ocurrido. 15 de noviembre 20:25h (19:25h en Canarias): El barco Arctic Sunrise llega al puerto de Lanzarote. Una multitud se agolpa para recibirlo, entre vítores y gritos rechazo a las prospecciones y de descontento hacia Repsol y el Ministro de Industria. El clamor de la sociedad canaria contra las prospecciones es unánime: no quieren una actividad que pondría en risgo la actividad económica y el valor medioambiental de las islas. Muchas gracias por recibirnos hoy en el puerto, y por seguirnos en este blog y en las redes. Ha sido una jornada muy intensa, y con sabor agridulce por nuestra activista herida. Pero vuestro apoyo nos da fuerza para seguir adelante y continuar diciendo, junto a vosotros y vosotras, PROSPECCIONES NO. ¡Gracias! La multitud recibe al Arctic Sunrise a su llegada a Lanzarote 17.10 h: Greenpeace vuelve a puerto para unirse a todas las voces que hoy, desde tierra, también están diciendo muy alto #ProspeccionesNO No van a poder callarnos, ni a nosotros, ni las miles de personas que no quieren petróleo en las islas Canarias. sábado, 15 de noviembre de 2014 17.05 h: La llegada prevista a puerto del Arctic Sunrise será entre las 18.30 y las 19 en el puerto de Arrecife. 17.00 h: Con una activistas herida, a la espera de operación, otro herido y dos botes inservibles tras la embestida de la armada, Greenpeace pone rumbo al puerto donde se unirá a todos los apoyos en tierra y continuará incansable su denuncia y oposición a las prospecciones. 15:55h (14:55 en Canarias): Resumen del video con la actuación de esta mañana frente al buque perforador de Repsol, el "Rowan Renaissanse". 15:15h (14:15 en Canarias): La activista está estable en el hospital de Las Palmas y recibiendo mucho mensajes de apoyo. ¡Estamos contigo! Mientras, nosotros seguimos situados frente al buque perforador de Repsol, el "Rowan Renaissanse", que la Armada española ha defendido tan contundentemente y que va a poner en peligro las aguas de Canarias y toda la actividad económica de Fuerteventura y Lanzarote. Seguimos situados frente al buque perforador de Repsol 14.00 h: Vídeo de la acción de esta mañana en aguas Canarias 13.15 h: La activista de Greenpeace está llegando a un hospital en Las Palmas. 12.40 h: La tripulación del Arctic Sunrise está escribiendo mensajes a la activista italiana herida. - Imágenes (audio en inglés) de ayer por la noche cuando la Armada solicitaba al Arctic Sunrise que abandonara la zona de las prospecciones. Seguimos resistiendo. 12.15 h: El barco de Greenpeace Arctic Sunrise ha tenido que mover su posición del punto en el que estaba para poder garantizar la seguridad de los activistas y especialmente de joven herida. Seguimos en el mismo área resistiendo. 12.00 h: Un helicóptero de la armada está evacuando a la activista italiana herida. 12.00 h: La activista italiana, de 23 año,s se encuentra fuera de peligro y estable y está siendo atendida por los servicios médicos de la fragata. La activista cayó al agua cuando la embarcación de Greenpeace fue embestida por los agentes. 11.45 h: Estamos preparando imágenes donde se verá la colisión, en breve os las compartimos. 11.37 h (10.37 en Canarias): Las embarcaciones de la armada han embestido en varias ocasiones a los activistas de Greenpeace, y como resultado se ha producido la caída al mar de una de las activistas, que ha recibido dos cortes y ha sufrido una fractura, y las embarcaciones de la organización han resultado dañadas. Greenpeace continúa en la zona de los sondeos mientras evalúa la situación. 11:00h (10:00 en Canarias): Tres lanchas de Greenpeace se han dirigido al buque perforador de Repsol, el "Rowan Renaissance", para realizar una protesta pacífica contra las prospecciones que pondrían en peligro las aguas y la economía de Canarias. Cuando se estaban acercando, dos lanchas del ejército español las han interceptado, causando graves daños a dos de ellas. 9.50 h (8.50 en Canarias): Seguimos resistiendo el Arctic Sunrise frente al Rowan de Repsol. David contra Goliat. 8:15 (7:15 en Canarias): Esta es la imagen del buque perforador de Repsol y el buque de guerra del ejército español que lo protege. Seguimos resistiendo en nuestro barco Arctic Sunrise, defendiendo el punto que Repsol quiere perforar en busca de petróleo. El buque perforador de Repsol y el barco de guerra que lo protege 7:55 h (6.55 en Canarias): ¡Buenos días! Comienza a amanecer en el punto "Sandía", que nuestro barco sigue protegiendo del buque perforador de Repsol. ¡Ya hemos impedido que comience sus operaciones durante 6 horas! #CanariasDiceNO 2.35 h (1.35 en Canarias): El buque de la Armada se interpone entre nosotros y el buque perforador de Repsol. A nuestras espaldas, una enorme luna nos ilumina. 1.55 h (0.55 h en Canarias): El buque perforador de Repsol, el "Rowan Reinaissance" sigue parado frente a nosotros. Cada minuto que no perfore es una victoria para el medio ambiente y para Canarias. #CanariasDiceNo 1.40 h (0.40 h en Canarias): Esto es lo que vemos desde el puente de mano. El buque de Repsol completamente iluminado muy cerca del barco de Greenpeace Arctic Sunrise. Permanecemos quietos en el mismo punto. 01.16 h: El buque de Repsol sigue acercándose. La Armada está también cerca de nosotros. El buque de Repsol sigue acercándose. La Armada está también cerca de nosotros. Esta es su posición: — Greenpeace España (@greenpeace_esp) November 14, 2014 00:40h. Establecemos contacto con el buque perforador de Repsol, el "Rowan Renaissance", y le pedimos que pare. Un buque de la Armada también ha llegado a la zona. 14 de noviembre 23:40h: Ya vemos el "Rowan Renaissance", el barco perforador de Repsol, en la pantalla de navegación del Arctic Sunrise, abajo a la izquierda. En la pantalla, en color azul oscuro, tabién aparecen los barcos de suministros que le ayudarían. Desde cubierta también podemos ver ya su torre, de más de 100 metros de altura. Pantalla de navegacion del Arctic Sunrrise El barco perforador de Repsol se acerca a la zona de prospecciones 22:35h: Los barcos de apoyo han apagado sus motores, mientras el barco perforador de Repsol sigue acercándose. Está a 22 millas marítimas, unos 40 km. 22:15h: Además del barco perforador de Repsol, otros tres barcos de apoyo a las prospecciones se acercan al punto donde estamos. Seguiremos protegiendo la zona ante el atentado ecológico y social de Repsol y el Gobierno. #CanariasDiceNO #ProspeccionesNO 20:35h: Es noche cerrada en el punto donde Repsol pretende extraer petróleo. Su barco perforador, el "Rowan Renaissance", estará dentro de pocas horas aquí. Sus operaciones pondrán en peligro el suministro de agua potable a toda la población de Fuerteventura y Lanzarote, que depende 100% de la desalación de agua marina. Resistiremos. #CanariasDiceNo 19:15h: Anochece en "Sandía", el punto frente a Canarias donde Repsol quiere perforar y donde el barco Arctic Sunrise resiste diciendo NO a las prospecciones. El barco de Repsol llegará esta noche. ¡No nos moveremos! Anochece en "Sandía", el punto donde Repsol quiere perforar. 18.15 h: Llevamos un día situados en el punto en el que Repsol quiere hacer las prospecciones en Canarias y seguiremos aquí resistiendo por todos los que hoy dicen #CanariasdiceNo y #ProspeccionesNO 17:35h: El barco perforador de Repsol, el "Rowan Renaissance", llegará previsiblemente esta noche al punto frente a las islas Canarias donde planea extraer petróleo. Pero Greenpeace está protegiéndolo a bordo del Arctic Sunrise. ¡No queremos prospecciones! Protegemos el punto que Repsol quiere perforar en busca de petróleo. 16:15h: El punto “Sandía”, donde Repsol y el Gobierno español pretende buscar petróleo, es uno de los cinco pulmones de los océanos a nivel mundial. En este área se produce el fenómeno conocido como “afloramiento” de aguas profundas, que aporta nutrientes y oxigeno a los mares del planeta. El proyecto de Repsol implica poner en peligro este valioso ecosistema del que depende también toda la actividad socioeconómica de las islas Canarias. "Sandía" es el nombre en clave del punto frente a Canarias donde Repsol planea buscar petróleo 15:35h: A pesar de que Repsol sostiene que el buque que va a usar para las prospecciones, el Rowan Reinassanse, es de última generación, estuvo a punto de causar un desastre ecológico en Namibia el pasado mes de mayo debido a un fallo de las vávulas de seguridad, el mismo problema que tuvo el Deepwater Horizon en el Golfo de México en 2010. Repsol, además, usa un doble estándar de seguridad para sus operaciones en España: por un lado afirma que se trata de un buque de máxima seguridad, pero en realidad opera en condiciones inferiores a las que tendría que hacerlo, por ejemplo, en Estados Unidos. 14.35 h: En este vídeo puedes ver el punto en el que Repsol quiere empezar a sacar petróleo en Canarias. 14.30 h: El barco con el que Repsol planea perforar se llama Rowan Reinassance. Tiene 230 metros de eslora y su torre de perforación tiene más de 100 metro de altura, por lo que se vería desde la costa. El pasado 9 de noviembre lo fotografiamos desde nuestro barco Esperanza. 14.15 h: A pesar del rechazo local hacia las prospecciones de toda la sociedad canaria, incluyendo el propio Gobierno de Canarias, su presidente Paulino Rivero, y el Parlamento canario, además de toda la sociedad civil, el Gobierno de Rajoy está apoyando y poniendo todos los medios necesarios para que el proyecto de Repsol salga adelante. 14.00 h: El punto “Sandía” está localizado a 55 kilómetros de las costas de Lanzarote y Fuerteventura. Desde aquí podemos ver perfectamete la costa. De igual modo, desde la costa se podrá ver perfectamente la torre de perforación, que tiene unos 105 metros de altura. 13.56 h: El punto donde Repsol quiere perforar en busca de petróleo tiene el nombre en clave “Sandía”. Está en las coordenadas 28º 33' 34'' N; 13º 11' 36'' W, frente a la costa de Lanzarote y Fuerteventura. Blog en Vivo: Raúl San Mateo y Nadia González, digital managers de Greenpeace ¡Concentraciones HOY! Canarias dice NO a las prospecciones petrolíferas Entrada de blog por Rakel Muñoz - noviembre 14, 2014 a las 11:03 Agregar un comentario Somos muchas las personas que solemos acudir a convocatorias de concentraciones, manifestaciones o actividades reivindicativas habitualmente, ya que consideramos que la participación y movilización ciudadana son esenciales para generar el cambio que queremos ver en la sociedad. No obstante, somos conscientes que hay veces que esas movilizaciones son, simplemente ineludibles. Son momentos en los que no hay excusas, debemos salir a la calle. Momentos clave en la lucha por un objetivo. Hoy es uno de esos días, hoy es un día clave. Tenemos que salir a la calle para decirle a Repsol que NO queremos su barco perforador, Rowan Renaissance, en las costas de Canarias. Que NO queremos que se realicen las prospecciones petrolíferas porque hay alternativa, las renovables. El pueblo canario, apoyado por el resto de ciudadanos del estado e incluso ciudadanos del resto del mundo, llevan más de dos años trabajando y luchando para parar las prospecciones. Hoy es un día importante. ¡¡Únete!!! Tanto si has participado en concentraciones anteriores como si es tu primera vez, no lo dudes, acude hoy a las concentraciones en contra de las prospecciones convocadas por “Canarias dice NO a las petroleras” y otros colectivos canarios. Gran Canaria 18:00 entrada del Puerto (Rotonda de Belén María). Tenerife 18:00 Avenida Marítima. Cacerolada frente a las plataformas que hay en el puerto. Lanzarote 18:00 Cacerolada frente a sub-delegación del Gobierno. La Gomera 18:00 Cacerolada en Dirección Insular de la Administración del Estado. Plaza de las Américas, 2 San Sebastián. El Hierro 18:00 Cacerolada en Dirección Insular de la Administración del Estado. C/ Dacio Darías,103 Valverde. La Palma 18:00 Cacerolada en Dirección Insular de la Administración del Estado. Avda Marítima 2. Santa Cruz. Fuerteventura: 18h enfrent de la Delegación del gobierno. Calle Primero de Mayo, 64, 35600 Puerto del Rosario, Las Palmas ¿No hay concentración en tu ciudad? Organízala tú y acude enfrente de delegación de Gobierno a las 18 h en Canarias, 19 h peninsulares. ¿Qué puedes hacer tú? - Firma para pedir otro modelo energético y contra las prospecciones en Canarias y en nuestras costas. Entrada de blog por: Rakel Muñoz Coordinadora de movilización, trabajando con #voluntasgp en el territorio, desarrollando estrategias de movilización y participación ciudadana. Perfil en Google+ Todas las entradas por Rakel Muñoz Correo electrónico Fotografías: Raúl San Mateo, Javier Barbancho y Arturo Rodríguez Cámaras: Raúl Alaejos y Álvaro Lagos El atún que nadó en Kiribati y acabó en España Entrada de blog por Elvira Jiménez - noviembre 14, 2014 a las 10:08 Agregar un comentario La pesca industrial tiene pocas caras y banderas. Solo unos pocos 'peces gordos' que acaparan las pesquerías y las ponen en riesgo. Pero con la pesca sostenible hay muchas caras, banderas e idiomas. De España, de Europa y de lugares tan lejanos como Kiribati. Pescadores tradicionales en Kiribati / Foto: Christian Aslund Buscar Kiribati en un mapa no es fácil. Es un archipiélago de 33 pequeñas islas y atolones en mitad del Pacífico rodeadas por una gran masa de agua. De hecho, tiene una de las Zonas Económicas Exclusivas (aguas que pertenecen al país para su explotación) más grandes del mundo. Por eso, no es de extrañar que sea un país de marineros y pescadores. Ni tampoco que su gran tesoro se encuentre bajo sus aguas. Las aguas que rodean a Kiribati son el hogar de una de las pesquerías de atún más productivas del mundo. Más de 250.000 toneladas de atún se capturan aquí cada año, aunque no por los pescadores locales. En sus aguas faenan tanto los barcos más pequeños del mundo como algunos de los más grandes, incluidos super cerqueros con bandera española como el Albatún Tres. Casi todo el atún es capturado por barcos extranjeros. Sin embargo, el pescado es vital para Kiribati. Significa ingresos, empleo y, lo más importante, seguridad alimentaria. Supone un tercio de la dieta y proporciona casi toda la proteína. Y a medida que los arrecifes son menos ricos, esta dieta depende cada vez más de peces pelágicos como el atún. Los pescadores llevan pescando de la misma manera desde hace décadas. Salen diariamente tres pescadores en pequeños barcos de madera en busca del atún, con la tierra a la vista para no acabar perdidos en el océano. No tienen GPS, ni radar, ni radio… Se guían por la naturaleza, como se han transmitido de padres a hijos. Pero ahora las capturas han disminuido y las barcas vuelven en muchas ocasiones vacías. Monster boats pescando en las aguas de Kiribati. En el horizonte, no muy lejos, se ven los otros grandes buques cerqueros, auténticos Monster boats. Tienen satélites, radar, FAD (dispositivos agregadores de peces) y grandes redes para capturar los atunes. Son enormes máquinas de pesca. No hay competencia. Estos grandes buques capturan 4.000 veces más atún en un día que cualquiera de los barcos artesanales. Y ese atún, que ha nadado por aguas de Kiribati, se recorre medio mundo para acabar en las latas de países como España. ¿Porqué les merece la pena a estos Monster boats recorrer tanta distancia? El negocio del atún es muy lucrativo. En los últimos dos años el valor del atún capturado en Kiribati fue de más de 2.000 millones de dólares, pero solo una parte de esta enorme cifra quedó en estas islas. El acuerdo que la UE firmó con Kiribati y que permite a nuestros barcos pescar en estas aguas da poco a las personas que tienen derecho a este recurso tan vital. Más importante aún, socava los intentos regionales de los países insulares del Pacífico para gestionar de forma conjunta sus recursos de atún para el futuro y para obtener un rendimiento justo. La UE debe eliminar su sobrecapacidad. No más Monster boats, ni en Kiribati ni en ningún sitio. Apoya la pesca sostenible ¿Qué puedes hacer tú? - Firma para apoyar la pesca sostenible y contra los Monster boats - Descubre historias de pescadores y de pesca sostenible Entrada de blog por: Elvira Jiménez Responsable de océanos de @greenpeace_esp trabajando por #pescaSOStenible #atun. Bióloga e instructora de buceo en mis ratos libres. Perfil en Google+ Todas las entradas por Elvira Jiménez Correo electrónico Imágenes aéreas del barco con el que Repsol pretende sacar petróleo en Canarias Entrada de blog por Nadia González - noviembre 13, 2014 a las 13:04 Agregar un comentario Desde el barco Esperanza, hemos sobrevolado el avance del barco de posicionamiento dinámico con el que la multinacional petrolera Repsol pretende sacar petróleo en aguas canarias. Las imágenes fueron tomadas hace dos días en la costa de África Occidental, mientras el buque navegaba hacia el norte rumbo a las islas Canarias, donde tiene previsto comenzar la búsqueda de petróleo. Este mismo barco, el buque Rowan Reinassance ha sufrido varios problemas, en el mes de mayo en aguas de Namibia, se colapsó la boca del pozo debido a problemas con el cementado del inicio de la perforación y a problemas con las características geotécnicas del lugar elegido para perforar. También sufrió problemas con una válvula de seguridad, por lo que finalmente se tuvo que abandonar el pozo y sellarlo, por lo que volverán a hacer otro pozo a 50m de distancia por precaución. Reclamamos a las autoridades que no olviden que el proyecto incumple varias directivas europeas y que el mayor desastre de la industria petrolera fue en esta fase de exploración que quiere comenzar Repsol: el desastre del golfo de México de 2010. ¿Qué puedes hacer tú? - Firma para pedir otro modelo energético y contra las prospecciones en Canarias y en nuestras costas. Del lado de los buenos Entrada de blog por Marta González - noviembre 13, 2014 a las 10:53 Agregar un comentario Ayer fue un día para recordar. Despues de varias jornadas hablando de los Monter boats, de sus métodos destructivos y de la falta de responsabilidad social y ambiental de sus empresas, queríamos compartir una jornada con los verdaderos protagonistas de la pesca sostenible: los pescadores. Por eso hemos celebrado un encuentro en el Museo Marítimo de Bilbao con pescadores artesanales, muchos de ellos viejos amigos de nuestra campaña de pesca. Políticos, representantes de sindicatos, centros de investigación y asociaciones en defensa artesanal tampoco faltaron a la cita. Cuando Greenpeace denuncia un problema medioambiental, trata de proponer soluciones, plantear propuestas, y ponerse del lado de los buenos. En el caso de la pesca, ya hemos apuntado a aquellos barcos y empresas que están contribuyendo a la sobrepesca a nivel global. Es hora de contar las historias de aquellos pescadores que salen cada día a faenar de forma artesanal, siendo conscientes de que para mantener su oficios en el futuro deben pescar de manera sostenible. Pescadores artesanales de El Hierro, Galicia, Denia, Andalucía, Cataluña, y de varias localidades de Euskadi compartieron ayer sus experiencias, luchas, problemas y demandas. Sin duda, nadie mejor que ellos conoce cuáles son los obstáculos que se encuentran a la hora de seguir a flote en el sector artesanal y por dónde habría que pasar para conseguir un cambio real en el modelo de pesca. Escucharles a ellos nos da ánimo para seguir luchando por que vean cumplidas sus demandas y le da sentido al trabajo que hacemos cada día. “Echo de menos el orgullo que tenía de ser pescador”, decía ayer un pescador de Armintza, “yo entiendo la pesca como algo más que ganar un sueldo, es mi forma de vida”. Jeremy Percy, presidente de LIFE (Plataforma Europea de Pescadores Artesanales), reclamaba en su ponencia que “tenemos que garantizar el derecho de pesca a aquellos que pescan de forma artesanal”, y admitía que “sin una voz grande no vamos a poder ser efectivos y hacer ver que el futuro es la pesca artesanal”. Un pescador venido de El Hierro se quejaba de la mala gestión de la pesca en su zona, la injusta distribución de las cuotas de atún, y de la desigualdad a la hora de pemitir que se cumplan ciertas irregularidades en los caladeros. Por otro lado se mostraba contento por poder compartir sus demandas con otros compañeros. Manuel, venido desde Galicia, se tomaba con humor las ridículas medidas obligatorias que se dictaban desde los despachos para las pequeñas embarcaciones artesanales, y todos coincidían en lo difícil que les están poniendo las cosas para poder seguir dedicándose al negocio de la pesca artesanal. “Había mariscadoras que ganaban 300 euros, que con gastos y tal se llevaban a casa 90 euros...”. Eso no es pesca sostenible. El debate entre pescadores se alargó durante la jornada de ayer, y entre las compañeras de Greenpeace nos emocionábamos al escucharles decir que todo esto no sería posible sin el trabajo que hacemos. Sólo nos queda decir que la pesca sostenible y la esperanza de un futuro libre de Monster boats solo es posible con su existencia. Les necesitamos a todos, a sus artes de pesca, a sus barcos, y su lucha por seguir adelante, a pesar de todo. Ojalá un día los políticos se pongan a su altura y dejen de beneficiar a las flotas destructivas. Ojalá un día todos estemos del lado de los buenos. ¿Qué puedes hacer tú? Si tú también quieres apoyar a la campaña Monster boats contra la sobrepesca, puedes unirte entrando en la web y firmando por un modelo de pesca sostenible libre de Monster boats La Armada Española embistió a activistas de Greenpeace durante una protesta contra la exploración petrolera en las Islas Canarias Agregar un comentario Noticia - 15 noviembre, 2014 Internacional - Una activista fue hospitalizada y otro ambientalista resultó herido luego de que embarcaciones de la Marina española embistieran contra gomones de Greenpeace que participaban de una protesta pacífica contra las perforaciones petroleras en la región de las Islas Canarias, en España. Los activistas protestaban contra proyectos petroleros de la empresa Repsol. A primera hora de la mañana del sábado, gomones de Greenpeace procedentes del barco Arctic Sunrise se aproximaron al buque de perforación petrolera Rowan Renaissance, para protestar de forma pacífica contra un peligroso proyecto de perforación de la multinacional Repsol frente a las aguas de Fuerteventura y Lanzarote. Cuando los gomones se aproximaban al buque fueron interceptadas violentamente por tres lanchas de la Armada Española, que custodiaban desde ayer al Rowan Renaissance. Las embarcaciones embistieron en varias ocasiones contra los ambientalistas y produjeron la caída al mar de una activista italiana de 23 años, que sufrió una fractura y varios cortes. Posteriormente, la joven fue trasladada a un hospital y se encuentra fuera de peligro. Otro activista también resultó herido y las embarcaciones de la organización quedaron inutilizadas por los daños sufridos. El barco de Greenpeace Arctic Sunrise continúa frente al buque de Repsol, fuera de la zona de exclusión decretada por las autoridades, donde permanecerá momentáneamente para evaluar los daños sufridos y esperar la llegada de más barcos procedentes de las islas, que se sumarán a la protesta pacífica. Esta es la primer acción contra las perforaciones petroleras que realiza la emblemática embarcación, luego de ser retenida por más de 10 meses por las autoridades rusas tras participar de una protesta contra la exploración petrolera en el Ártico en Septiembre de 2013. Durante la madrugada del sábado, la marina española comunicó al barco de Greenpeace que debía abandonar la zona. El capitán del Arctic Sunrise, Joel Stewart, respondió: "Hemos recibido y comprendido su mensaje. Sin embargo, vamos a permanecer en nuestra posición porque nuestro deber es proteger el medio ambiente y tenemos la obligación de hacerlo. Nosotros, y los millones de personas que nos apoyan, no permitiremos estas imprudentes y temerarias exploraciones petroleras. Instamos al Gobierno español a proteger el medio ambiente y a los ciudadanos de las islas Canarias, en vez de resguardar los beneficios privados de Repsol". El buque perteneciente a la multinacional petrolera ya sufrió problemas en el pasado: en el mes de mayo, en aguas de Namibia, colapsó la boca del pozo debido a problemas en el cementado del inicio de la perforación y a las características geotécnicas del lugar elegido para perforar. Greenpeace se opone a la extracción de petróleo en la zona y remarca que el proyecto incumple varias directivas europeas, recordándole a las autoridades españolas que el mayor desastre de la historia de la industria petrolera (ocurrido en el Golfo de México en 2010) sucedió durante la misma fase de exploración que quiere comenzar Repsol. "Un derrame de petróleo en las Islas Canarias sería devastador para el medioambiente y para la economía de este popular centro turístico" declaró Julio Barea, de Greenpeace España. Organizaciones y expertos reclaman a Nación que intervenga por los desmontes en Salta Noticia - 13 noviembre, 2014 Buenos Aires - Organizaciones y científicos especializados en la materia enviaron a las autoridades ambientales un documento con el pedido urgente para que se realicen “las acciones pertinentes para que el Poder Ejecutivo de Salta cumpla en forma estricta las restricciones establecidas en su Ordenamiento Territorial de Bosques Nativos y derogue los decretos que permiten realizar recategorizaciones prediales”. (1) Desde la sanción de la Ley Nacional de bosques en 2007, en Salta se desmontaron 120.000 hectáreas en zonas protegidas. "En Salta ya se deforestaron más de 400.000 hectáreas desde la sanción de la Ley, de las cuales 120.000 hectáreas se trataban de zonas protegidas. Los desmontes, además de generar importantes impactos ambientales, afectan seriamente a comunidades campesinas e indígenas", advierte el informe. Los firmantes señalaron a las autoridades nacionales que "resulta sumamente grave que, mediante los decretos 2211/10 y 3136/11, el Poder Ejecutivo provincial realice en forma sistemática recategorizaciones prediales que modifican, a simple solicitud del titular de la finca, la zonificación establecida en el Ordenamiento Territorial de sus Bosques Nativos". "La provincia de Salta ya ha recategorizado más de 150.000 hectáreas de bosques nativos inicialmente zonificados en las Categorías I – rojo y II - amarillo. Debido a esta extensa superficie, nos enfrentamos ya con un cambio claro del Ordenamiento Territorial de Bosques Nativos original sin haber cumplido los requerimientos establecidos por la Ley Nacional de Bosques y su decreto reglamentario, ni con la resolución del Consejo Federal de Medio Ambiente", alertaron los ambientalistas. Greenpeace: "El acuerdo climático entre EEUU y China demuestra voluntad, pero le falta ambición" Agregar un comentario Noticia - 12 noviembre, 2014 12 de noviembre de 2014 - A pocos días de dar comienzo a la COP de Lima –la cumbre donde las naciones discuten el futuro del clima-, China y Estados Unidos emitieron hoy un comunicado conjunto que refleja objetivos concretos de reducción de las emisiones de gases de efecto invernadero e inversión en energías limpias, con el propósito de luchar contra el cambio climático. El acuerdo entre China y Estados Unidos refleja objetivos de reducción de las emisiones de gases de efecto invernadero e inversión en energías limpias Los presidentes Barak Obama y Xi Jinping se reunieron hoy tras la Cumbre de Líderes de APEC que se desarrolló en Pekín. Los respresentantes de las dos naciones más contaminantes del mundo asumieron respectivos compromisos: en el caso de Estados Unidos, se compromete a reducir en un 28% las emisiones para 2025, tomando 2005 como año de referencia. Por su parte, China señala el año 2030 como el momento en que sus emisiones llegarán a su pico más alto y que ese mismo año, el 20% de la energía del país será renovable. "Las dos naciones más contaminantes llegaron a la conclusión de que deben unirse y tomar acciones en conjunto –expresó Mauro Fernández, coordinador de la campaña de Clima y Energía de Greenpeace-. En los últimos meses, Pekín y Washington han mantenido conversaciones sobre el cambio climático, lo que evidencia un claro sentido de responsabilidad colectiva, sin embargo, el cambio debe ser verdaderamente estructural. Los anuncios de hoy sólo deben ser el piso y no el techo de las acciones". "Esta muestra de acercamiento entre China y Estados Unidos es una clara señal para los gobiernos del mundo: la época de sentarse y señalar con el dedo a quién tiene mayor responsabilidad quedó en el pasado. Hoy todos, incluido nuestro país, debemos asumir compromisos de mitigación para hacer frente al cambio climático", concluyó. Por último, recordaron que la violación de la Ley de Bosques por parte del gobierno de Salta fue también señalada por la Auditoría General de la Nación y por la Defensoría del Pueblo de la Nación. Organizaciones celebran el cierre definitivo de Dioxitek en Córdoba y piden que se detenga el impacto nuclear Agregar un comentario Noticia - 10 noviembre, 2014 Córdoba – Las organizaciones que integran la coalición Córdoba No Nuclear (1) manifestaron su satisfacción ante el accionar del gobierno municipal, luego de que diera cumplimiento al acuerdo firmado entre la Municipalidad de la Ciudad de Córdoba y la C.N.E.A. (2), que establece el fin de las operaciones de la empresa Dioxitek dentro del ejido municipal para noviembre de 2014. Zoom La clausura de Dioxitek es un paso adelante hacia el abandono de tecnologías obsoletas en la provincia. Desde el primer pedido de cese de actividades, realizado por la Municipalidad de Córdoba en el año 1994, hasta el último ,en Noviembre de 2012, donde se le otorgo un año y medio para su cierre y relocalización, la empresa Dioxitek (3) ha intentado reubicarse en distintos puntos de la provincia y del país sin éxito. Reclamos vecinales, iniciativas ciudadanas y ordenanzas municipales realizados en las localidades cordobesas de Despeñaderos, Rio Tercero y Embalse, como así también en La Rioja y Mendoza, impidieron su radicación en estas locaciones. "Ninguna zona del país debe asumir el riesgo que un traslado supone, ni convertirse en una nueva zona sacrificable por el peligro inherente a todo el ciclo del combustible nuclear", declaró Noelia Romero desde Greenpeace. El aporte de la energía atómica a la electricidad generada en Argentina es ínfimo, ya que sólo alcanza el 4,3%. Por otro lado según la Ley 26.190 las energías renovables deben representar el 8% para el año 2016 -y ya se debate en el Congreso elevar esa meta al 20% para 2025-. En este contexto, la coalición Córdoba No Nuclear considera necesario que se detenga el impacto nuclear, especialmente luego de que el gobierno de Formosa confirmara que la planta se radicará a 16 kilómetros de la ciudad capital. Las organizaciones impulsan un proyecto de Ley que propone la prohibición de todo el ciclo de generación nucleoeléctrica en el territorio cordobés, incluido el proceso de producción de dióxido de uranio que realiza Dioxitek. Más información en Notas: 1 - La Coalisión Córdoba No Nuclear está conformada por: CEDHA, Eco-Sitio, FUNDEPS, Greenpeace, Fundación Hölderlin, Los Verdes y Fundación TierraVida. 2 - Para leer el convenio suscripto entre la Comisión Nacional de Energía Atómica y la Municipalidad de Córdoba en noviembre de 2012 hacé click aquí 3 - La fábrica fue emplazada en noviembre de 1982, en el barrio Alta Córdoba de la capital provincial. Sin embargo, ya desde 1985 - cuando la Ciudad de Córdoba sancionó la ordenanza 8133 - la Comisión Nacional de Energía Atómica (CNEA), tenedora del 99% del paquete accionario de la empresa, inició las gestiones para su relocalización.